29/12/10

FIM DO ANO... NOITE DE SÃO SILVESTRE!!!

Não sei se os "foliões" de fim de ano, depois das passas e do champanhe - se não houver espumante para o efeito -... ter sido devidamente "emborcado", estarão em condições de pensar um pouco no dia que estão a comemorar. É que não é um dia qualquer, pois além de ser feito o Reveillon, é o Dia Mundial da Paz, o Dia de Ano Novo, o dia de S. Silvestre e um dia em que todos nós renovamos a esperança de mudanças no nosso quotidiano.
Falei em São Silvestre... mas sabemos mesmo quem ele foi?
Este Santo nasceu em Roma e foi ordenado pelo Papa São Marcelino, logo após obtida a paz para as perseguições que foram perpetradas pelo Imperador Diocleciano. São Silvestre ultrapassou esses tempos de terror e testemunhou a abdicação de Diocleciano e de Maximiliano, assim como ao triunfo de Constantino, acontecido em 312. Cerca de dois anos após, foi ordenado Bispo de Roma, sucedendo a São Melquíades. Nesse mesmo ano enviou quatro delegados seus para o representarem no Concílio da Igreja Ocidental em Aries, cujas decisões foram por ele implementadas na Igreja.
Em 325 Constantino mandou reunir o Concílio de Niceia, que foi considerado o primeiro Concílio Ecuménico da história da Igreja. Nele foi definida a divindade de Cristo, foi aprovado o Credo contra a heresia ariana e venceu-se o Cisma de África com o Imperador a impôr a paz para o Império . São Silvestre, dada a sua avançada idade, não esteve presente, mas fez-se representar pelos seus legatários, chefiados pelo Bispo Ósio de Córdoba.
Não suscita dúvidas o facto de São Silvestre, que foi eleito Papa em 31 de Janeiro do ano de 314, poucos dias após o Imperador Constantino ter emitido o Édito de Milão, que deu permissão à existência do Cristianismo, ter usado bem a sua qualidade de conselheiro e director espiritual do Imperador, que até ofereceu o seu Palácio Lateralense para que passasse a ser residência papal .
Foi no Papado de Silvestre I que se iniciou a construção da Basílica de São Pedro no Monte Vaticano, em Roma, sob um cemitério pagão. Também iniciou a construção da Basílica de São Paulo extra muro e a Basílica de S. João, também em Roma.
S. Silvestre I morreu no ano 335 dC, tendo permanecido na Cadeira de Pedro durante vinte e um anos, tendo produzido muitos e bons frutos para o Cristianismo. Logo no ano seguinte à sua morte, começou a festejar-se S. Silvestre no dia 31 de Dezembro.
É com este grande Santo - um dos primeiros não mártires reconhecido pela Igreja - que vos desejo um

26/12/10

SE RECORDAR É PRECISO...

...gostaria de trazer à colação muito do que foram os acontecimentos verificados durante o ano que está a findar, mas parece que não será uma tarefa que possa agradar sobre maneira, seja pela profundidade da crise que se abateu sobre o País - e o Mundo, porque não? - seja por outros motivos que nos pudessem tocar mais profundamente, não se desse o caso de haver-mos sido vacinados com uma dose de Fé inquebrantável, daquela que move montanhas.
De qualquer modo, o ano de 2010 foi fértil em acontecimentos para todos os gostos, sejam políticos, sejam de sociedade... mesmo que se tenham cometido alguns exageros que o Povo acabará por pagar bem caro, porque é sempre ele o primeiro a sofrer com os erros.
É assim que o desemprego apresentou um dos índices mais elevados alguma vez conhecidos neste País, a agitação social parece haver tomado de assalto a alma das nossas gentes, a fome grassa um pouco por todo o lado, não se sente confiança na Justiça, na Segurança, na Saúde, na Educação... vive-se o caos que alguns arautos da desgraça vêm preconizando e anunciando como prenúncio do fim dos tempos... mas sabemos que não é assim!
Somos o Povo da Esperança, um povo que desde sempre deu provas de ser um Povo de Vencedores, que acredita no porvir e dele faz prova de Fé como outrora a Terra esperou pelo Messias Salvador cuja festividade está agora na sua Oitava! Jesus Cristo veio trazer tudo aquilo porque esperámos ao longo dos tempos e foi Ele mesmo quem disse:
"ESTAREI CONVOSCO ATÉ À CONSUMAÇÃO DOS SÉCULOS".
Tendo Ele deixado essa promessa, quando se despediu dos Discípulos... como não estar confiantes?
Mas... RECORDAR É PRECISO, na realidade, porque o Homem esquece fácilmente que é preciso um pouco mais que sentar confortávelmente no sofá à espera que Deus providencie! Ele, Deus, faz a Sua parte... mas nós teremos de fazer por merecer a atenção que Ele nos dá! Antigamente havia o ditado popular:
"HORA A HORA DEUS MELHORA! PODES TER FÉ NO RIFÃO, MAS NÃO DURMAS: VAI BUSCAR O REMÉDIO POR TUAS MÃOS!".
O Ano Velho está a terminar e o Ano Novo virá para começar um novo ciclo de vida!
Que o será de Esperança, se és pessoa de Esperança; de Fé, se a sentes realmente; de partilha, solidariedade, realizações pessoais... mas sempre buscando no Menino Jesus, feito Homem no Presépio de Belém, todas as bençãos que necessitamos para poder dizer:

13/12/10

NATAL... TEMPO DE AMOR E PAZ !...

... e é Amor e Paz que Aquele Jesus, cujo nascimento agora comemoramos, veio trazer ao mundo em abundância... mas que os Homens teimam em não retribuír uns aos outros.
"GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS E PAZ NA TERRA AOS HOMENS POR ELE AMADOS!", cantaram os Anjos quando Ele nasceu para nós... mas... a quem amamos hoje?
QUE O PRÓXIMO ANO SEJA UMA NOVA ETAPA NO NOSSO CAMINHO!

09/12/10

O NATAL VEM AÍ!

É verdade! Quando menos esperamos, eis que chega mais um Natal... que nos apanha no meio de uma crise profunda, é verdade, mas é sempre benvindo, não fosse esta uma das mais importantes festividades do calendário religioso português... para não exagerar e dizer mundial - mesmo sabendo que o é mesmo, apesar de não querer deixar tristes aqueles que já não comemoram o Natal, pelas várias vicissitudes das vida -, apesar de saber que uns senhores, muito bem postos nos seus trajes muçulmanos, de barba bem aparada e com relações previlegiadas com o senhor Laden, o Bin para os amigos, teimam em dizer que não senhor! O Natal é apenas uma invenção dos Povos Judeus para atraír mais gentes para visitar Jerusalém e os Lugares Santos!
Se eu acredito nisso ? Claro que não acredito mas deixo que eles vão deitando cá para fora as suas ideias... pois talvez alguém se venha ainda a aproveitar para escrever mais um livro que fale nos Hebreus, nos camelos e nos camafeus, que são uns gajos bastante porreiros que vivem lá para o Irão e não gramam os Israelitas, nem com sal e pimenta... e vai daí...
Veja-se onde me levou esta divagação natalina! Está para aqui uma pessoa toda lançada a escrever aquilo que foi acontecendo em Portugal por ocasião das comemorações do 1º. de Dezembro, que também acontece ser o Dia da Independência de Portugal ou da Restauração da dita, não porque se tenham instalado por esse tempo aqueles restaurantes todos que ficam ao pé do Palácio da Restauração da Independência, mas porque nele se juntaram 40 amigos, os Conjurados, para conspirarem contra a Duquesa de Mântua, a fulaninha que nos estava a desgovernar em nome do Filipe de Espanha, ou a divagar sobre a reflexão que se impunha fazer no dia 08 de Dezembro, o Dia da Imaculada Conceição, a Mãe de Deus e Rainha de Portugal, e eis senão quando os dedos começam a teclar coisas desordenadas, sem nexo...
Já viram o que é falar do Bin Laden num escrito relacionado com a chegada do Pai Natal ou do Menino Jesus? Pois acreditem que eu não vejo nisso nada de extraordinário, até porque Jesus também nasceu para ele, Bin Laden. Pode é ele não saber ou não acreditar em tal, mas aí o problema será apenas dele! Jesus veio ao mundo para salvar a Humanidade... o Bin Laden veio para a destruír, parece ser o desiderato dele. Apenas se espera que ele deixe que os Cristãos vivam santamente o seu Natal, o Nascimento do seu Salvador Jesus Cristo... e bem poderá acontecer que o Laden se venha a sentir um homem novo e então caminhe para a conversão! Era bonito, não era?

29/11/10

RESTAURAÇÃO DE PORTUGAL

O desastre de Alcácer Quibir, além de ter configurado uma derrota para a Coroa Portuguesa, que ali perdeu o jovem Rei D. Sebastião, sacrificado pela sua impetuosidade própria de alguém que, estando impreparado, não mediu as consequências do que poderia acontecer, no caso de vir a perecer, como foi o caso, também viu fugir-lhe a independência do Reino, que se transformou em feudo espanhol.
O sucessor de D. Sebastião era um velho Cardeal, D. Henrique, que não podia dar ao Reino a esperança de um sucessor, pelo que... logo que o Cardeal-Rei morreu, em 1580, perdeu Portugal a sua Independência, o que foi confirmado com a decisão das Cortes de Tomar de 1581 de aclamar o rei Filipe II de Espanha como rei de Portugal. Iniciava-se assim um período de 60 anos em que fomos uma simples província de Espanha, sem independência, sem justiça, sem alma.
Mas havia uma centelha de orgulho, uma réstea de dignidade, uma mão cheia de patriotismo capaz de reverter as coisas, tudo isto consubstanciado num grupo de quarenta fidalgos Portugueses que não quiseram viver mais o opróbio da ocupação estrangeira.
No dia 01 de Dezembro de 1640, faz agora 370 anos, dirigiram-se ao Paço da Ribeira, onde se encontrava a Duquesa de Mantua, regente de Portugal em nome da Coroa Espanhola, acompanhada pelo seu secretário e amante, o traidor Miguel de Vasconcelos.
Presa a Duquesa e morto o traidor, logo os Conjurados aclamaram como Rei de Portugal D. João IV, Duque de Bragança. É claro que Espanha não quiz deixar a "mina" que era Portugal e tudo fez para reaver o controle do Reino, mas nas batalhas que se travaram, em território português, foram derrotados no Montijo (1644); Linhas de Elvas (1659); Ameixial (1663); Castelo Rodrigo (1664) e Montes Claros.
É com tristeza que se vê o abandono a que tem sido votada a comemoração desta data, porque não "queremos" melindrar os nossos vizinhos, para mais sendo "parceiros" na Comunidade Económica Europeia... mesmo que apenas a Espanha seja beneficiada económicamente, mais parecendo que os espanhóis apenas terão mudado de estratégia, utilizando a "batalha comercial" para voltar a subjugar Portugal.
QUE PORTUGAL SE VEJA RESTAURADO E INDEPENDENTE, SEM SUBSERVIÊNCIAS AO PODERIO ESPANHOL! INVOQUEM-SE OS CONJURADOS DE 1640... OU SÃO NUNO DE SANTA MARIA, QUE SEMPRE SOUBERAM COMO SUPERAR O PODERIO DE ESPANHA, COMO OUTROS OUTRORA O FIZERAM!

11/11/10

É DIA DE SÃO MARTINHO

"No Dia de São Martinho,
vai à adega e prova o vinho!"
Quem ouça este ditado popular, não fará ideia do que tenha sido o exemplo deste Santo cristão, pois a ligação às adega e ao vinho desmonta qualquer tentativa de apelo à santidade... julga-se.
Aquilo que se conhece sobre a vida de São Martinho, que foi apelidado de "apóstolo da Gália", deve-se a Sulpício Severo (n 360 - +420), um historiador cristão de expressão latina natural de Agem - França - antiga Aquitânia -, que foi discípulo de S. Martinho e seu principal biógrafo, e que foi igualmente elevado às honras dos altares como Santo. Foi graças a este Santo Sulpício Severo que chegaram aos nossos dias relatos sobre S. Martinho.
Quando conheceu S. Martinho já este era Bispo e vivia fiel ao ideal monástico, recolhido longe da faustosidade e ostentação do palácio episcopal.
São Martinho é o primeiro dos Santos que não foi Mártir e o primeiro Confessor a subir aos Altares no Ocidente. A liturgia consagra-lhe um lugar igual aos dos Apóstolos, uma vez que foi ele que concluiu a evangelização das Gálias. A sua festa era de guarda e muitas vezes favorecida pelo chamado "Verão de S. Martinho", sendo rival, a nível popular, das festividades de São João. Era considerado a "pérola dos sacerdotes" e era entre os Confessores aquilo que São Lourenço era entre os Mártires: O maior dos Confessores.

01/11/10

O DIA DE TODOS OS SANTOS

Hoje comemoram-se TODOS OS SANTOS E SANTAS DE DEUS, segundo o calendário litúrgico da Santa Igreja.
"A Cristo nós O adoramos, porque Ele é o Filho de Deus; quanto aos Mártires, nós os amamos como a discípulos e imitadores do Senhor; e isso é justo, por causa da sua devoção incomparável para com o seu Rei e Mestre. Assim nós possamos também ser seus companheiros e condiscípulos!" - Martyrum sancti Polycarpi 17,3 : SC 10bis, 232(FUNK 1,336)
Quando a Igreja, no ciclo anual, faz a Memória dos Mártires e dos outros Santos, "proclama o mistério pascal" reealizado naqueles homens e mulheres que "sofreram com Cristo e com Ele foram glorificados, propõe aos fiéis os seus exemplos, que a todos atraem ao Pai por Cristo, e implora, pelos seus méritos, os benefícios de Deus!".
"Os cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade". Todos, sem excepção, são chamados à santidade: " SEDE PERFEITOS, COMO O VOSSO PAI CELESTE É PERFEITO!"(Mat. 5,48)
Na tradição da Igreja ao dia de Todos os Santos segue-se o Dia dos Fiéis Defuntos ou de Finados, separados apenas por um dia. Hoje canta-se a glória e felicidade dos Santos "que gozam em Deus a serenidade da vida imortal", mas não esquece, desde o século XI, a memória de todos os fiéis defuntos.
Lógico será o considerar-se como continuação da Festa de Todos os Santos, porque recordar apenas aqueles que ascendendo às honras dos altares, exalando o odor da santidade, sem recordar todos aqueles que acreditaram em Cristo, não seria perfeito, pois seria um acto de injustiça. A Igreja peregrina não poderia celebrar a Igreja da glória esquecendo a Igreja que se purifica no purgatíorio.
É uma questão de fé. A Igreja, neste dia, procura que essa recordação seja mais profunda e viva que nas Eucaristias dos outros dias. O Dia de Fiéis Defuntos não é um dia de luto e tristeza, mas sim de íntima comunhão com aqueles que "não perdemos, porque simplesmente os mandámos à frente!" (São Cipriano).
Amanhã, dia 2 de Novembro, é um dia de esperança, porque sabemos que os nossos Finados ressurgirão em Cristo para uma vida nova, em plenitude.

30/10/10

NESTE HALLOWEEN 2010...

...QUE NÃO TE FALTE A AMIZADE DOS TEUS AMIGOS... A SUPERAÇÃO DA CRISE NO PAÍS, O DINHEIRO PARA O QUOTIDIANO... O EMPREGO PARA GARANTIA DO TEU EQUILÍBRIO FUTURO... O AMOR QUE MERECES EM ABUNDÂNCIA...

DIZ LÁ QUE ESTES BRUXEDOS NÃO ESTÃO DEMAIS? QUE SE CONCRETIZEM, É ESTE O DESEJO!!!

29/10/10

A VERDADE É...

...que as bruxas têm o seu dia no dia 31 de Outubro e não o podemos ignorar!
"Dicen que non aya brugas... ma que las ay, ay!", ouvia dizer em criança, mas a verdade é que nem sempre ouvi dizer haver um "Dia das Bruxas" ou de "Halloween" a não ser quando comecei a vêr cinema americano, já na adolescência... e aí continuei a não acreditar muito nessas coisas... porque o cinema sempre foi um meio imaginativo de contar algumas histórias de molde a criar a ilusão de se estar a contar uma verdade e não uma coisa do faz de conta.
No cinema via-se que os americanos mascaravam as suas crianças e mandavam que fossem em demanda de "travessuras ou doces", mas isso era a tradição da festa norte americana do Halloween, comemorada a 31 de Outubro... e parece que ninguém saberá o porquê desse dia e não outro.
Na verdade o dia das Bruxas não passa de uma festa de tradição pagã, na sua origem prática, e será esta a data mais importante comemorada pelos adeptos da "igreja satânica". Os bruxos, satanistas e adoradores do demónio preparam-se, durante todo o ano, para a festa, que além de ser considerada por eles como o dia de aniversário de Satanás, é o dia ideal para se fazerem sacrifícios humanos e pactos satânicos.
Num período de 15 dias antes da data do Halloeen e 15 dias após, os seguidores do Diabo sacrificam pessoas, confiados na promessa de que irão alcançar mais poder e prosperidade. Dizem-nos as estatísticas, algumas fornecidaspelo FBI, que nos meses de Agosto, Setembro e Outubro acontecem várias atrocidades e desaparecem crianças um pouco por todo o mundo... mas especialmente nos Estados Unidos.
Os bruxos e adoradores do Diabo não perdem tempo e traçam metas horríveis para combater os cristãos, como por exemplo a destruição de 60 mil famílias por ano. Fora isso, trabalham de forma incansável para que milhares de jovens e crianças sejam envolvidas e prisioneiras das drogas, da violência e da prostituição.
O Pastor de uma Igreja Evangélica afirma, alarmado, que muitas Igrejas estão a participar no Halloween, vestindo a suas crianças de personagens bíblicos, como uma opção, mas estas festas, diz o Pastor, não admitem opções, pois a atitude do crente deverá ser a de combater e não a de consentir a comemoração, porque "a participação no Halloween é uma desonra para Nosso Senhor Jesus Cristo!". O problema é que muitos não acreditam nem mesmo na Palavra de Deus, que é bem clara quando nos afirma: "...as bruxas, os feiticeiros, os gatos negros, as lanternas nas abóboras e outros misticismos malignos são símbolos de tudo aquilo que é abominável a Deus!".
Mas há muito tempo que o Halloween se reduz a uma pequena festa para as crianças e mesmo no passado era apenas uma festa folclórica, que para os americanos não significava nada de bom nem oportuno. Tinha símbolos e práticas que eram tiradas do paganismo, do mal, da morte e do ocultismo.
Na antiguidade, segundo manuscritos históricos, o Halloween era feito pelos Druidas em honra a Samhain, o Senhor dos Mortos, no 1º. dia de Novembro. Eles acreditavam que, na véspera deste dia, Samhain chamava todas as almas malignas (espíritos) que durante os 12 meses passados haviam sido condenadas a habitar em corpos de animais. O Halloween era assim considerado "o caminhar universal de todas as almas e espíritos!".
Os Celtas há mais de 2.000 que festejavam o dia dos mortos no dia 31 de Outubro, celebrando a travessia e a troca de energia com os antepassados.

25/10/10

FALAR/ESCREVER PORTUGUÊS...

Uma das maiores preocupações sentidas, no que respeita ao ensino da língua portuguesa, é a iliteracia que vai alastrando por muitas e variadas razões, mas ainda não se considera impossível de controlar, a fazer fé no exercício que se apresenta, onde há a curiosidade de uma omissão propositada, pelo que convidamos o leitor atento a dar conta dessa falha. Cá vai:
"Sem nenhum tropeço, posso escrever o que quiser, omitindo-o, pois rico é o português, fértil em recursos diversos, tudo permitindo, mesmo o que de início, e somente de início, se pode ter como impossivel. Pode-se dizer tudo com completo sentido, como se fosse um simples Ovo de Colombo.
Desde que se tente sem ser inibido, pode muito bem o leitor empreender este belo exercício, dentro do nosso fecundo e peregrino modo de dizer em português, o puríssimo instrumento dos nossos melhores escritores e mestres do verso, instrumento que nos legou monumentos poéticos dignos de eterno e honroso reconhecimento.
Trechos difíceis resolvem-se com sinónimos. Observe-se bem: - É certo que, em se querendo, esgrime-se sem limites com este divertimento instrutivo. Brinque-se com tudo, mesmo tudo. É um belíssimo desporto do intelecto, pois escrevemos o que quisermos sem o "E", sem o "I" ou sem o "O" e, conforme o meu exclusivo desejo, escolherei outro discorrendo livremente, por exemplo, sem o "P", "R" ou "F"... ou o que quiser escolher.
Podemos, em estilo corrente, repetir sempre um ou outro som, ou mesmo escrever sem verbos.
Com o consurso de termos escolhidos, isso pode ir longe, escrevendo-se todo um discurso, um conto ou um livro inteiro sobre o que o leitor melhor preferir. Porém, mesmo sem o uso pornóstico dos termos difíceis, muito e muito se prossegue do mesmo modo, discorrendo sobre o objecto que foi escolhido, sem impedimentos. Deploro sempre ver moços deste século esquecerem inconscientemente e oprimirem o nosso português, hoje culto e belo, preferindo substituí-lo pelo inglês. Por quê?
Cultivemos o nosso polifónico e fecundo verbo, doce e melodioso, porém incisivo e forte, messe de luminosos estilos, voz de muitos Povos, escrínio de belos versos e de imenso porte, ninho de cisnes e condores...
Honremos o que é nosso, ó moços estudiosos, escritores e professores! Honremos o digníssimo modo de dizer que nos legou um Povo humilde, porém viril e cheio de sentimentos estéticos, pugilo de heróis e de nobres descobridores de mundos novos."
Depois de dar corpo a este texto, que é feito de paciência e argúcia, resta perguntar, sem artifícios, se conseguiu encontrar alguma coisa que lhe tenha chamado a atenção.
Encontrou? Volte e lêr... pense...lembre-se que é um teste ao seu poder de observação e não é para verificar se sabe lêr, porque ao chegar aqui já provou que é paciente e sabe lêr.
Ainda não descobriu?
....................................................................................................
Então... aqui vai: O TEXTO ENTRE ASPAS, que acabou de lêr, OMITE A LETRA "a"

03/10/10

UM INSULTO REPUBLICANO...

Por iniciativa de Sua Majestade a Rainha Dona Amélia, que foi mulher de el-Rei D. Carlos I, assassinado no trágico dia 01 de Fevereiro de 1908, junto com seu filho, o Príncipe Herdeiro Dom Luis Filipe, foi criado o Museu dos Coches Reaes, como se chamava na época e que foi inaugurado a 23 de Maio de 1905.
Escolheu-se om Picadeiro Real de Belém para a sua instalação, pois este deixara de ser utilizado como tal e era lá que se iam armazenando as principais viaturas da Corte. A Rainha fez então convergir para o local os carros antigos da nobreza afecta à Casa Real, tal como os acessórios a esses carros pertencentes.
Foi um espólio que foi sendo recolhido nas várias cocheiras espalhadas pelo reino, fazendo-se assim uma coleção de 29 viaturas, de fardas de gala, arreios de tiro e acessórios para a cavalaria normalmente utilizados pela Família Real.
Agora que se está a comemorar o centenário da República, não se pode ficar indiferente perante a infâmia, o insulto à memória da excelsa Senhora que foi a última Rainha de Portugal e que até morrer, com 86 anos de idade, afirmou sempre que nunca esqueceu. Quando estava a morrer, disse: - "Quero bem a todos os Portugueses, mesmo àqueles que me fizeram mal (...) sofro tanto. Deus está comigo! Levem-me para Portugal!".
Foi uma Senhora profundamente atingida naquilo que era a sua felicidade como Mulher de carácter, Esposa fiel e dedicada e Mãe extremosa, mas jamais na selicidade de Rainha amante do seu Povo.
O insulto torpe e soez à sua memória cimenta-se no, acto inaugural do novo Museu dos Coches, que será realizado no dia 5 de Outubro de 2010.
Ela, Dona Amélia de Orleans e Bragança, que viu o seu Marido e o Filho primogénito serem assassinados pelos mesmos esbirros que implantaram a República, merecia outro respeito, pois nem sequer está em causa a dictomia MONARQUIA/REPÚBLICA, mas tão só o respeito que se deve a uma Mulher que teve de se exilar, mas, como afirmou em 1938, no momento de embarcar, inicialmente para o Porto: - "Não chorámos, não pedimos e não tivemos medio! Pelo contrário! Se houve um comandante com medo de morrer, não houve duas rainhas com medo de ficar".
É mais um crime de lesa memória que a República pratica, pois as ações ficam com quem as pratica... e este insulto a Dona Amélia mostra bem os valores republicanos que nos norteiam.

06/09/10

DIVAGANDO... OU TALVEZ NÃO.

Muitas vezes sinto que os pensamentos se materializam consoante a disposição que possamos demonstrar quando afloramos determinada questão... especialmente se esta se mostrar fundamental e determinante para ultrapassar alguma barreira mais resistente ao ostracismo que lhe possamos ter dado nas nossas cogitações... porque cogitar também cansa, se é que me faço entender.
Por falar em cansaço, já estava a ficar um pouco entediante a comédia de costumes que foi levada à cena no Campus da Justiça de Lisboa, àcerca dos crimes de pedófilia que aconteceram na Casa Pia de Lisboa e que tanta tinta fizeram correr... desconfiando que ainda não será desta que teremos a dita de descansar os nossos olhos e ouvidos dos autênticos massacres a que temos sido submetidos nos últimos anos... porque alguns desvalidos da sorte - ou não - foram a determinada altura das suas vidas submetidos a "sevícias sexuais" perpetradas por algumas figuras e figurões que as vítimas afirmam ter sido correctamente identificadas, pese embora a defesa que os "outros" fazem da sua honorabilidade, pois garantem poder passear à vontade pela Feira da Luz sem o perigo de escaqueirarem as loiças de barro expostas nas barraquinhas.
Fez-se finalmente justiça? Haverá injustiça na atribuição das penas? Foram pesadas demais? Foram leves? Foram os "culpados" únicos?
Agora vão decorrer os recursos e por tal motivo ainda teremos que ouvir falar muito disto tudo! Só espero que Portugal possa afirmar-se orgulhoso pelo que possa fazer pelas suas crianças, pelos seus jovens, pelas suas gentes em geral. E o Estado Português também deveria ter sido julgado e condenado em tantas "Casa Pia de Lisboa" que vão acontecendo a cada dia que passa. Devia ter sentado no banco dos réus para responder pelos vários crimes que a sua incúria vem proporcionando sejam cometidos.
As crianças devem ser tratadas com o carinho que dispensamos às plantas que gostamos de vêr florescer , porque também elas são botões à espera de poder desabrochar para a vida.

22/08/10

A * ARTE * ABSTRACTA...

Ao longo dos tempos têm-se visto obras em que pintores e escultores de sempre, um pouco por todo o lado, dão expressão à sua arte através de linhas, volumes ou cores que utilizam para constituir conjuntos ordenados que sejam capazes de agir por si só na sensibilidade e no pensamento.
No entanto, não consideravam os artistas a hipótese de separar este poder de uma evocação, mais ou menos estilizada, do mundo visível, com excepção dos artistas islâmicos, por motivos óbvios.
Foi a partir de 1910-1940 que, no Oriente, alguns pintores renunciaram à representação, sendo Kandinsky, aparentemente, o primeiro a definir uma corrente lírica e romântica da arte abstracta, projectada numa linguagem plástica do mundo interior do artista e da sua visão imaginária.
Pelo contrário, é na mais depurada construção geométrica que Malevitch e Mondrian estabelecem o ponto de encontro entre o seu sentido cósmico e a sua vontade racional e objectiva. Outros artistas foram contribuintes mais episódicos do nascimento da nova arte, como foi o caso dos franceses Delaunay - que viveram em Portugal durante a 1ª. Guerra Mundial -, Léger, Picabia, o russo Larionov ou o checo Kupka e muitos outros.
O português Amadeu de Sousa Cardoso, natural de Amarante, que nasceu em 1887 e faleceu em 1918, fez a sua formação artística em Paris e foi um pioneiro que realizou no Porto, em 1916, uma exposição abstracionista, que depois veio a ser exibida em Lisboa. Infelizmente, a sua obra apenas foi influente a partir de meados do século.
Nos anos 20 e 30 é a tendência geométrica, muitas vezes apelidada de "arte concreta" e que muitas vezes se viu ligada à pesquisa arquitectónica, que domina, representada pelo construtivismo de escultores como os russos Pevsner e Gabo ou a polaca Kataryna Kobro; pelo neoplasticismo de Mondrian e do grupo holandês De Stij; em certa medida pela Bauhaus alemã, onde lecionam Kandinsky, que havia enveredado por uma arte mais fria, o húngaro Moholy Nagy e outros. Em Portugal foi o pintor Fernando Lanhas considerado como o introdutor da abstracção nos princípios dos anos 40. (CONTINUA)

02/08/10

Traduzindo o Alcorão...

As línguas originais com que foi escrita a Bíblia cristã foram o Hebraico, por vezes com mistura do Aramaico, no que toca ao Antigo Testamento, e o Grego, salvo nos casos em que o original provinha do Aramaico, no que refere ao Novo Testamento.
No entanto, para a maioria dos Cristãos, durante a maior parte da sua história, fosse essa ou não a língua da Bíblia a sua própria língua, era qualquer coisa de diferente das línguas originais.
Para os Muçulmanos, a questão tornava-se bastante diferente, porque o Árabe não é apenas a língua original do Alcorão mas sim é a língua do Alcorão. A tradução das escrituras era, pois, um problema para os Muçulmanos de uma forma que não o era para os Cristãos. O que estava em causa não era saber se seria ou não permitido passar o sentido do Alcorão para outra língua, pois é evidente que isto se podia fazer, embora o resultado fosse considerado como imperfeito, naturalmente, ficando portanto sujeito a erro humano. O problema maior era o uso que pudessem ser dado a essa tradução.
Quando a tradução surgisse com o propósito de facilitar a compreensão por parte de pessoas cuja língua nativa não lhes permitisse entender o original Árabe, não haveria qualquer problema.
É este o motivo porque existe um vasto conjunto de traduções Persas do Alcorão, sendo as mais antigas datadas do século X ou XI.
Notam-se em algumas traduções algumas características curiosas, como ser o texto Árabe escrito em Naskhi, com caracteres soltos em negrita e por baixo de cada linha árabe, em caligrafia pequena típica dos Persas, está uma humilde, palavra a palavra, tradução persa. A hegeminia do Árabe original está, virtual e inequivocamente, exposta, e a ordem das palavras árabes sobrepõe-se aos padrões sintáticos normais da língua persa - os verbos aparecem no princípio dos versículos em vez de aparecerem no final.
O servilismo destas traduções tem muito paralelismo noutras culturas. A tradução gótica da Bíblia do século IV é penosamente literal, e as traduções Tibetanas das escrituras Budistas aderem tão rigorosamente aos textos originais que podem ser utilizados, à confiança, para os reconstituir.
Podem encontrar-se num formato em negrita mais carregado nas traduções que actualmente se publicam no Irão, mas há algumas traduções que apresentam o Árabe e o Persa em páginas opostas, mas a primazia do Árabe é marcante, pois aparece na página direita em absoluto contraste com a tradução persa, apresentada na página esquerda numa impressão bastante modesta.
Um, como observa o "ayatollah" Nasir Makarim Shirazi, autor da tradução aludida, "é a Palavra de Deus e o outro é meramente um ser criado". No entanto, esta tradução está muito longe de ser servil. A sintaxe persa mantém-se inabalável: os verbos deslocam-se para o final dos versículos, ao mesmo tempo que o tratamento do significado é notavelmente mais assertivo.
CONTINUA...

19/07/10

PRESSENTIMENTO ou PREMONIÇÃO

Muita gente fala de premonições, de pressentimentos, de constatações ou daquilo que se lembre dizer quando acontecem "coisas" para as quais não estavam preparados, mas que se reconhecem como passíveis de vir a acontecer, talvez por serem obra de humanos e não de deuses, iluminados ou fazedores de milagres, tipo "santinha da Ladeira do Pinheiro" ou IURD.
Talvez haja que explicar o porquê de alguns acontecimentos que não têm explicação à luz da lógica, mas não creio ser possível dar credibilidade a algo que sai da nossa esfera de conhecimento das coisas, porque Deus explica-se pela fé, tal como o Diabo, mesmo que este não tenha a mesma dimensão daquele; apenas se pode explicar a morte se tivermos em mente que esta é o consumar da vida, uma vez que, como diria a "socialite" Lili Caneças, "estar vivo é o contrário de estar morto", o que me leva a dar-lhe 20 pontos pela lucidez da constatação, que está plana de lógica.
Como se poderá explicar a alguém uma cura que esteja para além do saber médico? Milagre? Mas... quem faz milagres nos dias de hoje, pergunta-se. Há sempre quem ponha em causa qualquer acontecimento "marcado" pelo sobrenatural, uns porque não têm uma fé tão inabalável que os leve a acreditar ser possível dizer à montanha SAI DAÍ e ela mover-se, como Cristo afirma no Evangelho.
Que se pode chamar à vida senão "milagre", uma vez que estamos na presença de algo que está para além da capacidade humana? Há... já me esquecia que o ser humano nasce porque há outro ser humano, se bem que ainda se não conseguiu uma maternidade ou paternidade porque dois homens ou duas mulheres resolveram unir-se "em casamento". Ainda bem que há cientistas que têm lutado um horror de anos para encontrar uma resposta... que não aparece: A VIDA NÃO ESTÁ NAS MÃOS DO SER HUMANO, MAS DE ALGUMA FORÇA QUE DÁ ESSE DOM A UM PEDACINHO DE MILAGRE SUSCITADO POR ESSA FORÇA... QUE NÃO É HUMANA, ULTRAPASSA O CONHECIMENTO DO HOMEM, LOGO--- ESTAMOS PERANTE UM MILAGRE!
Dirão agora, depois desta "brilhante" dissertação: Foi para dizer que há milagres que escreveu toda esta lenga-lenga? Bastava dizer apenas: ACREDITO EM MILAGRES! Mas estou convicto de que esta seria sempre uma afirmação a esbarrar na indiferença da descrença, porque somos por demais materialistas para acreditar na divinização das coisas transcendentes, porque ultrapassam tudo aquilo que convencionamos poder aceitar como verdade... mesmo que seja verdade e não utopia, já que esta é fruto da descrença e a descrença simboliza não ter fé... e esta é fundamental para que possamos olhar o porvir com esperança.
Tenho cá um pressentimento, uma premonição ou seja lá o que seja que ainda não acertei no euromilhões por falta de sorte, mas tenho fé que isso ainda pode vir a acontecer! Não sei quando, mas é a minha fé que isso vai acontecer! Querem apostar?

29/06/10

O Pão de Cristo.

Este é um relato verdadeiro
PARA LÊR EM SILÊNCIO... E MEDITAR...

O que se segue é o relato verídico acontecido com um homem chamado Victor.
Depois de andar meses a fio sem encontrar trabalho, viu-se forçado a recorrer à mendicidade para sobreviver, o que o entristecia e envergonhava bastante.
Numa fria tarde de inverno, estava Victor nas imediações de um restaurante de luxo quando se aproxima um casal, a quem pediu algumas moedas para comprar alguma coisa para comer.
- Não tenho trocos - foi a seca resposta que recebeu do homem.
A mulher dele, ouvindo esta resposta, perguntou:
- O que te queria o pobre homem?
- Estava a pedir dinheiro para comer. Disse que tinha fome... - respondeu o marido encolhendo os ombros.
- Lourenço, nós não podemos entrar aí e comer uma comida farta de que não necessitamos, deixando um homem faminto aqui fora!
- Óh mulher! Hoje em dia vemos um mendigo a cada esquina! Até apostava que ele quer é dinheiro para os copos!
- Seja como fôr, eu tenho uns trocos comigo... Vou dar alguma coisa ao coitado!
Apesar de estar de costas para eles, Victor ouviu tudo o que diziam. Estava bastante envergonhado, apenas pensando em afastar-se e fugindo dali... mas a voz amável voz da mulher reteve-o:
- Oiça lá, senhor! Aqui tem qualquer coisa para o ajudar. Veja se consegue algo para comer, e ainda que a situação esteja difícil, não perca a esperança. Haverá em algum lugar um trabalho para si, tenho a certeza. Faço votos para que o encontre.
- Muito obrigado, minha senhora. A senhora ajuda-me a recobrar o ânimo e nunca esquecerei a sua bondade e gentileza.
- Olhe... Você vai comer o Pão de Cristo! Partilhe-o - acrescentou a senhora com um largo sorriso, que era mais dirigido ao homem do que ao mendigo.
Victor sentiu como se uma descarga eléctrica lhe houvesse percorrido o corpo.
Encontrou um lugar onde podia comer um pouco e barato. Apenas precisou de gastar metade daquilo que havia recebido, pelo que resolveu guardar o restante para o dia seguinte, pois assim comeria do 'Pão de Cristo' durante dois dias.
Quando pensou nisto, mais uma vez mais sentiu aquela espécie de descarga eléctrica a percorrer-lhe o corpo: O PÃO DE CRISTO!
"Um momento! - pensou - Eu não posso guardar o 'Pão de Cristo' só para mim".
Na sua cabeça parecia-lhe como que escutar o eco de um velho hino que em criança havia aprendido na catequese. Naquele momento vai a passar um velhote ao seu lado.
- Quem sabe, se este pobre homem também tem fome - pensou - Tenho de partilhar o 'Pão de Cristo'. - Ouça - chamou Víctor - Quer entrar para comer uma comidinha quentinha?
O velho voltou-se e encarou-o com um olhar incrédulo.
- Está a falar sério, amigo?
O homem não acreditava em tanta sorte, até que se tivesse sentado à mesa coberta com uma toalha e com um belo prato de comida quente à frente.
Durante a refeição, Víctor reparou que o homem embrulhou um pedaço de pão num guardanapo de papel.
- Está a guardar um pouco para amanhã? - Perguntou-lhe.
- Não, não, meu amigo. É que vi à pouco um miúdo da rua que conheço e que tem passado bastante mal ultimamente. Quando o deixei, ele chorava com fome, pelo que me lembrei de lhe levar este pedaço de pão, se não se importar.
- O Pão de Cristo! - Victor recordou novamente as palavras da senhora e ficou com a estranha sensação de que havia um terceiro convidado sentado naquela mesa.

12/06/10

POESIA PORTUGUESA


Canto para os teus nomes
*
Muitos nomes te dei:
amiga, mar, chuva caindo,
odores de terra e espuma...
dei-te nome de paz
que achamos em nós
nome com gosto a amoras
na tua boca
Primavera, casa, exílio,
porto sem amarras
aonde me fundeio
Chamei-te chuva
chamei-te lume
chamo-te calor
Teus nomes
permanecem no teu rosto
em qualquer distância
Teus nomes
onde vivo projectado
(barro moldado como imagem)...
Na bruma da memória
te construo
oleiro que sou nas horas vagas
meus dedos
desenham-te as feições
dizem o teu nome
um nome só para ti
secreto e único
nome de qualquer ausência
mais presente.
Um nome das horas sós
quando tu estás.
*
um Poema de

01/06/10

Dia Mundial da Criança

O primeiro Dia Mundial da Criança aconteceu em 1950.
Contráriamente àquilo que muita gente pensa, o Dia Mundial da Criança não é apenas uma festa, onde as crianças são a figura central. É muito mais do que isso
Foi em 1945, logo após terminada a 2ª Guerra Mundial, que tudo começou. Houve muitos países da Europa, do Médio Oriente e a China que entraram em crise, por falta de condições de vida.
Este é um dia para se pensar nas milhares de crianças que continuam a sofrer maus tratos, contraem doenças, têm fome ou sofrem discriminações (ser-se discriminação significa que se é postode lado... por ser diferente).
As crianças desses países viviam bastante mal por falta de comida, mas os pais estavam mais preocupados com o poderem voltar à sua vida normal do que com a educação dos filhos. Algumas dessas crianças nem pais tinham! Eram órfãs da guerra!
Por falta de dinheiro, muitos pais tiravam os filhos da escola e colocavam-nos a trabalhar, por vezes durante horas a fio e em trabalhos muito duros.
Foi então que em 1946 se reuniu um grupo de países da ONU (Organização das Nações Unidas) para começarem a tentar resolver este problema, nascendo assim a UNICEF.
Mas era difícil estar-se a trabalhar para as crianças, pois nem todos os países do mundo mostravam interesse no cumprimento dos direitos da criança.
É então que, em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres foi propôr às Nações Unidas a criação de um dia que fosse dedicado às crianças de todo o mundo.
E este dia começou a ser comemorado, pela primeira vez, logo no dia 1 de Junho desse ano e os estados-membros das Nações Unidas, reconheceram às crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social o direito a:-
afecto, amor e compreensão;- alimentação adequada;- cuidados médicos;- educação gratuita;- protecção contra todas as formas de exploração;- crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.
Só nove anos depois, em 1959 estes direitos das crianças foram passados ao papel e no dia 20 de Novembro desse ano algumas dezenas dos países que fazem parte da ONU aprovaram a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA.

23/05/10

SOLIDARIEDADE...

...muitos falam nela, mas poucos se mostram interessados em aprofundar este conceito tão querido de quem gosta de ajudar os outros a caminhar, partilhando as suas alegrias e tristezas, os bens materiais e espirituais e bem assim as dores da alma e do corpo... apenas porque têm o coração cheio de amor para dar a quem dele necessita recorrer.
Poderá dizer-se que a solidariedade é um sentimento menor, que é uma forma de exploração do outro através da imposição da “caridadezinha”, tão ao gosto do nosso Povo... sem que consigamos explicar o porquê de esse mesmo Povo fazer uso da sua generosidade nos momentos mais difíceis da vida de alguns de nós, como é fácil verificar-se nas inúmeras iniciativas para angariação de fundos ou donativos que se vão consubstânciando na doação de géneros, para o Banco Alimentar contra a Fome, por exemplo, ou nas ajudas desinteressadas feitas à Madeira, quando da catástrofe que assolou a cidade do Funchal.
Para não falar nas ajudas ao Haiti e a outros locais de catástrofe, que tiveram sempre uma mão solidária que lhes disse no momento oprtuno: - “ESTOU AQUI, AMIGOS! TOMAI AQUILO QUE VOS É DADO COM O CORAÇÃO!”.
Não se trata de um "retrato" da acção caritativa de católicos , mas sim das pessoas que fazem da dádiva solidária uma bandeira, porque cientes que estarão a contribuir para um mundo melhor, onde a SOLIDARIEDADE não será uma palavra vã! Olhar o outro como irmão é paradigma do cristão, do crente, mas é-o especialmente do verdadeiro cidadão. Um simples "grão" de caridade vem minorar o sofrimento, mesmo que represente uma limitação!
Ainda que sejam transitórios, quaisquer gestos e acções no sentido de dar apoio, de prestar ajuda aos mais desamparados e fragilizados, aqueles que não têm voz activa para se poderem proteger e defender, ou seja, o nosso próximo mais carente, são apreciáveis! Podemos, então, tornar a solidariedade efectiva, convertê-la num hábito salutar no dia-a-dia das nossas vidas. E se nos associarmos a grupos organizados ou em vias de se organizar, as possibilidades de solidariedade atingirão uma outra medida, terão outro alcance.
As grandes mensagens de solidariedade têm de passar sempre pela prática, pelo exercício que se torne capaz de relevar a consciência e o espírito de servir!
Deverá ser esta responsabilidade social o despertar das consciências daqueles homens que assumem uma postura do comprometimento ao olhar à sua volta, procurando ver com amplitude e sentindo... e agindo em conformidade com os desígnios e critérios de Deus.
A recompensa desta dádiva, posiciona-se na verdadeira dimensão do amor, pois surge da satisfação de poder auxiliar para ver o outro feliz.
Deverá inscrever-se em nós a solidariedade junto daqueles que nos rodeiam, tendo sempre presentes uma latitude próxima e a solidariedade universal, pensando e ajudando aqueles que se distanciam de nós, dado vivermos num mundo globalizado, que vai colocando novas exigências ao nosso saber ser e saber estar.
A solidariedade é uma forma de estar na vida capaz de mudar o mundo, que apenas precisa de ser solidário para sentir ser plena a felicidade.

06/05/10

Maio - Mês da Mãe

...MÊS DE MARIA...
*
Este é o mês da flôr,
da beleza e da alegria,
é o mês do muito amor
o mês da Virgem Maria!
*
É o mês do coração...
... o mês às Mães dedicado...
...um mês para a oração
do nosso terço meditado!
*
E neste mês dedicado
à querida Mãe Celestial
Para sempre foi consagrado
o seu Altar em Portugal!
*
Foi na Cova da Iria...
que aos Pastorinhos apareceu
e a partir desse dia
Novas Esperanças nos deu!
*
Para ascender-mos aos Céus,
para gozar a Salvação
prometida aos Filhos de Deus:
"...rezem o Terço com devoção!"
*
Maio é o MÊS de Maria
Maio é o MÊS da Mãe
Maio é o MÊS da alegria
mesmo de quem a não tem!
*
Em Fátima, com devoção
rezo à Mãe Celestial...
...dou-lhe o meu coração
e... que olhe por Portugal!
*
Victor Elias
2010

29/04/10

PARA RECORDAR...

Foi no dia 25 de Abril que Portugal mostrou uma face não muito usual no Povo que somos, ao ser cometido mais um dos muitos erros da nossa História, quando da deposição do Governo então vigente, que foi mandado para o exílio. É preciso que a memória do Povo seja acordada e se recorde da realidade do acto cometido:
.
"PROFESSOR MARCELLO CAETANO: TRINTA E SEIS ANOS DE UMA IGNOMÍNIA"
"Há 36 anos foi cometida uma ignomínia que atingiu aquele que foi um dos portugueses que se dedicaram à causa pública com maior empenho, denodo e honradez, o Professor Marcello José das Neves Alves Caetano.
Os trabalhadores rurais e domésticos a quem foi estendida a previdência sabem daquilo que falo. Assim como os professores que passaram a ter férias pagas, os milhares que tiveram ajuda na compra de habitação própria, os que podiam ser reembolsados das suas despesas de saúde sem serem funcionário públicos, os que obtiveram emprego nos milhares de empresas que apareceram com o inédito crescimento económico.
No dia 25 de Abril de 1974, um homem que nunca colocou ao bolso um grão de pó que não fosse seu, que, tendo nascido pobre, subiu a pulso graças ao seu trabalho e inteligência e que construíra uma obra académica de renome internacional, foi tratado como um criminoso, banido do seu País sob os urros de uma multidão acicatada por gente medíocre.
Exilado, e com uma coragem exemplar, refez a sua vida com a dignidade própria de quem tem arreigado o valor do trabalho. Vencendo as adversidades - que é quando se mostra a têmpera das pessoas de mérito - voltou a exercer o seu magistério com o brilho que se lhe reconhece. Longe da família, dos amigos e da terra ingrata mas que era a sua, espoliado da aposentação que lhe era devida não pela carreira política mas como Professor da Faculdade de Direito de Lisboa, Marcello Caetano deu a todos uma lição de vida.
Nunca quis fazer as figuras que outros fizeram. Não patrocinou manifestações em capitais estrangeiras contra o governo do seu País, nem entrou em conspirações para se evidenciar aos olhos de potências estrangeiras. O seu padrão era a rectidão de comportamentos e não Mário Soares.
Quando foi para o exílio não tinha consigo um tostão que fosse e a sua única conta bancária era uma verdadeira anedota. Quando, poucos anos depois, os quatro filhos a dividiram entre si, cada um ficou com o valor equivalente a uma viagem de curta duração ao Brasil. O maior especialista em Direito Administrativo e que governara uma nação vivia apenas do que o trabalho lhe dava.
Expulso Marcello, como todos sabemos, Portugal ficou muito melhor: nas províncias ultramarinas foi encontrada a felicidade e a paz; o desemprego desapareceu; passámos a ter um crescimento económico anual equivalente à Coreia dos seus melhores dias; a bolsa de valores tornou-se um referencial mundial; o escudo tornou-se a mais forte moeda; a educação, expurgado o ensino técnico, ficou uma categoria.
Assim devem pensar os mesmos que no Largo do Carmo estoiravam os pulmões de tanto berrar contra Marcello. Mal sabiam que só em 1991 este triste rectângulo voltaria a atingir a mesma percentagem do PIB da média europeia que tinha em 1974...
Ao fechar os olhos, em 26 de Outubro de 1980, Marcello Caetano carregou consigo para a tumba muitos desgostos e humilhações. Mas levou também uma consciência limpa que aqueles em que o leitor está a pensar já não devem ter desde tenra infância.
Os festejos abrilinos não devem permitir que se esqueça que o triunfo que se lhes abriu há 36 anos (com que resultados?) pisou quem merecia ter sido poupado e reconhecido."
Carmindo Mascarenhas Bordalo,
Professor Catedrático Jubilado
.
Não poderia olvidar este escrito do Exmº. Professor Carmindo Bordalo, que nos chama a atenção para o facto de os Portugueses passarem o tempo a olhar para os seus umbigos, esquecendo completamente "Aqueles que por obras valerosas, se vão da lei da Morte libertando", como escreveu o grande Camões - outro Português que vai caíndo no ostracismo -, e nós bem sabemos que Marcello Caetano jamais mereceu a indignidade que lhe foi feita.
Errou? Quem não errou em todo o percurso acontecido após a Revolução dos Cravos? Errou-se muito... e continuará a errar-se... mas não podemos condenar alguém cujo crime seja o de amar a sua Pátria... e Marcello Caetano amou Portugal... e acredito que um dia a História lhe fará justiça!

22/04/10

SOS, CONSCIÊNCIAS!!!

Nos últimos tempos, "sem" que se saiba porquê, a Mãe Terra tem lavrado o seu protesto àcerca do modo como malbaratamos as maravilhas que ela nos prodigaliza... mas que nós vamos teimando em destruír.
Depois admiram-se das tempestades, tremores de terra, vulcões, trombas d'água, tornados, nevões, inundações, canículas, pragas de insectos, epidemias e todo um cotejo de consequências nefastas do mau uso que o Homem faz dos bens que o Criador colocou à sua disposição, para fruir com consciência ambiental.
Não há meio de o Homem saber aproveitar as coisas boas que ainda tem e depois admira-se com as catástrofes que vão acontecendo, dizendo ele, Homem, que são causas naturais...quando são apenas o fruto da sua falta de amor para com o pedaço de chão onde vive... e a que desde sempre aprendeu a chamar pelo nome de TERRA!
* O Dia da Terra, que hoje se comemora, tem como objectivo consciencializar o Homem sobre os recursos naturais que a Terra lhe proporciona, saber utilizar esses recursos, ao mesmo tempo que o desperta para a educação ambiental e a sua participação como cidadão ambientalmente consciente e responsável pelo legado dos seus filhos.
* Neste dia 22 de Abril, o Dia da Terra, somos todos convidados a participar na promoção da saúde do planeta, a nível global mas também local.

* "A Terra é nossa casa... a casa de todos os seres vivos. A própria Terra está viva, é vida! Somos parte de um universo em evolução e membros de uma comunidade interdependente da vida, com uma magnífica diversidade de formas de vida e culturas. Sentimo "humilhação" pela beleza da Terra e compartilhamos uma reverência pela vida e as fontes do nosso ser ... "

09/04/10

Poesia para meditar...


Paradoxo do Nosso Tempo
*
"Nós falamos demais,
amamos raramente,
odiamos frequentemente.
Nós bebemos demais,
gastamos sem critérios.

Dirigimos rápido demais,
ficamos acordados até muito mais tarde,
acordamos muito cansados,
lemos muito pouco, assistimos TV demais,
perdemos tempo demais em relações virtuais,
e raramente estamos com Deus.
Multiplicamos nossos bens,
mas reduzimos nossos valores.
Aprendemos a sobreviver,
mas não a viver;
adicionamos anos à nossa vida
e não vida aos nossos anos.
Fomos e voltamos à Lua,
mas temos dificuldade em cruzar a
rua e encontrar um novo vizinho.
Conquistamos o espaço,
mas não o nosso próprio.

Fizemos muitas coisas maiores,
mas pouquíssimas melhores.
Limpamos o ar, mas poluímos a alma;

dominamos o átomo, mas não nosso preconceito;
escrevemos mais,
mas aprendemos menos;
planeamos mais, mas realizamos menos.
Aprendemos a nos apressar
e não, a esperar. não, a esperar.
Construímos mais computadores
para armazenar mais informação,
produzir mais cópias do que nunca,
mas nos comunicamos cada vez menos.

Estamos na era do 'fast-food'
e da digestão lenta;
do homem grande, de carácter pequeno;
lucros acentuados e relações vazias.

Essa é a era de dois empregos,
vários divórcios,
casas chiques e lares despedaçados.
Essa é a era das viagens rápidas,
fraldas e moral descartáveis,
das rapidinhas, dos cérebros ocos
e das pílulas 'mágicas'.
Um momento de muita coisa na vitrina e
muito pouco na dispensa.

Lembre-se de passar tempo com as
pessoas que ama, pois elas
não estarão aqui para sempre.

Lembre-se dar um abraço carinhoso
em seus pais, num amigo,
pois não lhe custa um centavo sequer.

Lembre-se de dizer " eu te amo" à sua
companheira(o) e às pessoas que ama,
mas, em primeiro lugar, se ame.

Um beijo e um abraço curam a dor,
quando vêm de lá de dentro.

Por isso, valorize a sua família,
os seus amores, seus amigos,
as pessoas que o amam,
e, aquelas que estão
sempre ao seu lado."

*
George Carlin

31/03/10

Aos Amigos desejo...

Que Cristo Ressuscitado seja sempre presente na Vossa vida, com SAÚDE, AMOR, PAZ, TRABALHO e esperança no porvir!
UMA SANTA PÁSCOA DE CISTO RESSUSCITADO! ALELUIA! ELE VIVE!!!

24/03/10

A Páscoa cristã e a Páscoa judaica

Por vezes temos o costume de dizer que a Páscoa é o Pessach da tradição judaica, mas estamos a confundir as coisas, porquanto o nome de "Páscoa", apesar de ser a tradução do original "Pessach", que veio a ser adoptado para as celebrações da Páscoa cristã, suscita alguma confusão.
Este nome veio a ser adoptado porque os novos Cristãos também eram descendentes de judeus tal como acontecia com Cristo, sendo esta uma forma de a tradição judaica ser mantida.
Os judeus celebravam este grande evento da religião judaica e o mesmo acabou por fazer a Igreja Católica, à posteriori, pois tornou na maior celebração do catolicismo a associação da morte e ressurreição de Jesus Cristo com o Pessach, ou seja, associou a morte e ressurreição, de acordo com a cultura cristã, do primogênito de Deus, à celebração da passagem do Mar Vermelho na fuga da escravidão do Egipto.
Hipotéticamente, a morte de Jesus Cristo terá acontecido em 14 de Nissan, que é o dia do início de Pessach. Será que a última ceia de Cristo teria sido um Seder de Pessach? Não há provas que o fosse.
A pascoa é a celebração judaica que recorda a morte dos primogénitos do Egipto e a libertação e êxodo dos Israelitas para a Terra Prometida. O nome deriva da palavra hebraica que significa "a passagem do anjo exterminador, sendo poupadas as habitações dos israelitas, cujas portas hajam sido aspergidas com o sangue do cordeiro pascal (Ex.12:11-27)" .

Designa-se como a "páscoa do Senhor", a "festa dos pães asmos - ou ázimos "(Lv.23:6,Lc.22:1), os dias dos "pães asmos" (At.12:3,20:6). A palavra "páscoa" é aplicada não apenas à festa no seu todo, mas também ao cordeiro pascal, e à refeição preparada para essa ocasião solene. (Lc.22:7,1; Co. 5:7; Mt. 26:18-19; Hb.11:28).
Quanto à sua instituição, a melhor maneira para se observar a Páscoa é a seguinte: - o mês de saida do Egipto (nisã-abibe) deveria ser o primeiro mês do ano sagrado ou eclesiástico; e no 14º. dia desse mês, entre a declinação do sol e o seu ocaso, os israelitas deviam matar o cordeiro pascal e abster-se de pão fermentado. No dia seguinte, o 15°, contado a partir das 6 horas do dia anterior, principiava a grande festa da pascoa, com a duração de 7 dias, mas apenas o 1° e o 7° dias eram solenizados de forma particular.
O cordeiro morto não podia ter defeito, tinha de ser um macho de 1° ano. Quando não fosse encontrado o cordeiro, os israelitas podiam matar um cabrito. Naquela mesma noite o cordeiro, tinha de ser comido assado, acompanhado de pão asmo e de uma salada de ervas armagas. Não devem ser quebrados os ossos. Se ficava alguma coisa para o dia seguinte, era queimada. Aqueles que comiam a páscoa deviam estar na posição de viajantes, cingidos os lombos, com os pés calçados, ter os cajados na mão e alimentarem-se apressadamente.
Durante os 8 dias da páscoa não se comia pão levedado, embora fosse permitido preparar a comida, que só era proibido fazer-se no dia de Sábado. (Ex.12).
A páscoa era uma das 3 festas em que todos os varões tinham de "aparecer diante do Senhor" (Ex.26:14-17). Era tão rigorosa a obrigação de se guardar a páscoa, que todo aquele que a não cumprisse era condenado a morte (Nm.9:13); mas aqueles que tinham qualquer impedimento légitimo, como seriam a jornada, a doença ou a impureza, tinham de adiar a celebração até ao 2º. mês do ano eclesiastico, o 14° dia do mês iyyar (Abril e Maio) .

19/03/10

DIA DO PAI... DE S.JOSÉ...

Como mostra a gravura acima, escritores, pintores e artesãos costumam mostrar São José como idoso, mas José era um jovem com cerca de 33 anos quando desposou a Virgem Maria. Pode-se destacar o facto de que ele e o seu sogro, São Joaquim, eram primos, por terem em comum a avó paterna, que se havia casado por duas vezes. Do primeiro casamento, com Leví, nasceu Mathat, que foi pai de São Joaquim, que era o pai de Maria. Do segundo casamento nasceu Jacó, que era pai de José e Filho de Matan. A casa de José, enquanto solteiro, situava-se em Megido, Tanath, onde trabalhava por conta de outros mestres carpinteiros.
Depois que casou com Maria, S. José, que era carpinteiro, passou a sustentar a família com o fruto dos seus trabalhos, uma vez que ambos distribuíram pelos pobres todos os bens que haviam herdado dos pais da Virgem Santa Maria, porque escolheram viver de forma bastante simples.
São José ensinou a arte de carpintaria ao seu Filho: Jesus de José de Nazaré - este o modo como o próprio Jesus se apresentaria .
Descendente da Casa de David, José amou a sua esposa e soube zelar sempre pela sua família.
Quando ele percebeu que Nossa Senhora estava grávida, ainda eram noivos, ficou pasmado e profundamente triste, porque não era capaz de duvidar da fidelidade da sua noiva, além de que ainda não coabitavam.
Foi com o coração angustiado que o filho de Jacó, se decidiu a deixar Maria, com toda a discrição para que ela não viesse a ser ultrajada. Foi então que o Anjo do Senhor o alertou, durante o sono: "José, Filho de Davi, não temas receber Maria, tua esposa, em tua casa, porque o que nela foi concebido e fruto do Espírito Santo. Ela dará a luz um filho e por-lhe-ás o nome de Jesus ( Aquele que Salva), pois Ele virá salvar o seu povo dos pecados." (Mt 1,18-25)
Foi aquele um momento muito importante para a formação da Sagrada Família, pois ficavam assim esclarecidas todas as dúvidas que atormentavam São José e viu ser-lhe instituída a autoridade para ser "pai segundo a lei", podendo dar o nome ao Filho de Maria.
Foi deste modo que os escolhidos de Deus formaram a Família Sagrada de Nazaré, um exemplo a ser seguido por todas as famílias do mundo.
Se José foi agraciado por Deus na sua vida, também foram muitas as provações para o chefe da Sagrada Família, que teve de fugir, de viajar, de atravessar noites em claro e derramar bastante suor para salvaguardar a integridade física do Menino Deus e da Virgem , que lhe estavam confiados. Sempre atento aos alertas de Deus, protegeu com sua vida, o Salvador da humanidade.
Quando Jesus se perdeu, aos doze anos, e foi encontrado no Templo, grande foi o alívio de São José ao encontrar o Messias, que lhe havia sido confiado por Deus. Não se tratou de uma missão humana, por muito alta que fosse, nem de uma missão angélica, mas foi, sim, uma missão propriamente divina!
São José é o modelo do pai amoroso, atencioso, vigilante, cuidadoso, generoso...
É O MODELO DO VERDADEIRO PAI!

09/03/10

A PROPÓSITO DO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

PORQUÊ O DIA 8 DE MARÇO?
Foi nesta data, no ano de 1857, que as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocuparam a fábrica e reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para as 10 horas.
Eram operárias que, nas suas 16 horas, tinham um vencimento de menos de um terço do salário dos homens.
Nessa greve foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarou um incêndio, tendo perecido no mesmo perto de 130 mulheres, que morreram queimadas.
Em 1910, durante uma conferência internacional de mulheres, que se realizou na Dinamarca, ficou decidido que, em homenagem às mulheres vitimadas pelo incêndio, passaria a ser considerado o dia 8 de Março como "Dia Internacional da Mulher".
Desde então, o movimento a favor da emancipação da mulher tem tomado forma, tanto em Portugal como no resto do mundo, apesar de ser notória a necessidade de dar à mulher um papel mais determinante na sociedade, uma vez que ainda hoje a mulher é considerada como um ser menor no contexto social, não lhe sendo dado ainda o valor que lhe é devido no contexto político ou laboral!
O Dia Internacional da Mulher não poderá mais cingir-se a uma data determinada constante do calendário, pois deverá ser considerado todo o ano como ANO DA MULHER, que não poderá ser vista e usada apenas um símbolo de prazer para o homem, mas sim como um dos valores maiores da Sociedade que somos, o pilar principal ou a trave mestra em que se sustenta a Família!
Então o dia 08 de Março será a expressão do triunfo da Mulher em toda a sua plenitude, pois cumprirá o seu papel de Mãe, Esposa, Filha, Irmã, Empresária, Política, Técnica, Operária, Educadora, Companheira, Conselheira... MULHER!

22/02/10

Tragédia na Ilha da Madeira

A Ilha Madeira, a querida e bela Pérola do Atlântico, está a viver uma tragédia como não acontecia há já mais de 100 anos.
Uma terrível tempestade, acontecida no passado sábado, provocou graves inundações e deslizamentos de terra, provocando prejuízos de grande monta, destruindo pontes, bloqueando estradas com pedras e lama arrastados pelas águas e interditando algumas partes da ilha. Há a lamentar aproximadamente 40 mortos, cerca de 120 pessoas feridas e mais de 300 a passarem a noite em abrigos temporários. Cerca de 240 pessoas perderam as suas casas. para além de haver muitos feridos e desaparecidos.

As autoridades do Continente enviaram várias equipas de salvamento e engenheiros militares, com a finalidade de prestarem auxilio nos trabalhos a realizar na ilha. Foram enviados igualmente mergulhadores para o local, visando prestarem ajuda no resgate dos corpos, porque se acredita que várias vítimas hajam sido empurradas para o mar durante a tragédia, morrendo afogadas.
Segundo o Presidente da Câmara do Funchal, Miguel Albuquerque, algumas áreas da cidade foram particularmente afectadas. "O que aconteceu nas partes mais altas do Funchal foi algo de dantesco", afirmou através da televisão. Disse ainda estar a esperar que o número de vítimas aumente, pois encontram-se muitas casas soterradas.
Francisco Ramos, Secretário Regional dos Assuntos Sociais, declarou que havia na Madeira 42 mortos já confirmadas.
Desde 2001, quando ruiu a ponte de Entre-os-Rios, sobre o rio Douro, matando 59 pessoas, esta é a pior tragédia acontecida em Portugal.Muitos carros foram arrastados pela correnteza e algumas casas ruíram ou foram danificadas, no sábado. Muitas estradas foram destruídas ou bloqueadas pelas pedras, árvores e lama arrastados pela força das águas .
Não há estimativa oficial quanto ao número de desaparecidos.
Alberto João Jardim, Presidente do Governo Regional, disse não ter havido "nenhum incidente grave" a envolver o sector do turismo Madeirense. Muitos dos turistas na Ilha, que tinham vindo vêr o popular desfile de Carnaval realizado na última semana, são cidadãos britânicos que aproveitaram as férias escolares."O hotel não tem lotação esgotada, no momento, mas há pessoas de toda a Europa: britânicos, holandeses, alemães. Graças a Deus, estão todos seguros e sabemos não ter havido vítimas entre os turistas nos outros locais", segundo um recepcionista no Hotel Windsor, no Funchal, que não se quiz identificar.

20/02/10

Lince... esperança no porvir...

Depois de muito se haver porfiado na realização de campanhas para salvar o lince da Malcata, vê-se finalmente uma luz ao fundo do túnel da esperança, que renasce, quanto à salvação destes tão belos felinos que são o Lynce Ibérico!
O lince-ibérico ou Lynx pardinus, também conhecido pelos nomes populares de Cerval, lobo-cerval, gato-cerval, gato-cravo ou gato-lince, é a espécie de felino mais gravemente ameaçada de extinção, sendo considerado como um dos mamíferos mais ameaçados no mundo.
É dotado de um porte muito maior do que o comum gato doméstico, tem o seu habitat restringido à Peninsula Ibérica, de onde, aliás, deriva a sua designação mais comum.
Existem, na actualidade, cerca de cem linces ibérico em liberdade em toda a Península Ibérica, encontrando-se aparentemente extinto no território Português desde já alguns anos, razão porque foi criado um habitat no Algarve, que já recebeu alguns animais vindos de parques em Espanha.
O lince-ibérico somente existe em Portugal e Espanha, estando a sua população confinada a pequenos agregados algo dispersos, como resultado da fragmentação do seu habitat natural, que se deve a factores antropogénicos. Apenas 2 ou 3 agregados populacionais poderão vir a ser viáveis, a longo termo.
A alimentação do lince é constituída por coelhos, que caça, mas faltando estes, também come veados, ratos, patos, perdizes, lagartos, etc.
O lince-ibérico selecciona habitats de características mediterrânicas, como os bosques, os matagais ou os matos densos. Normalmente, utiliza estruturas em mosaico, com biótopos fechados, para abrigo.
O lince-ibérico pode-se encontrar na Serra da Malcata, que se situa entre os concelhos do Sabugal e de Penamacor, que integram o sistema montanhoso luso-espanhol da Meseta.