14/12/12

DENTRO EM POUCO... É NATAL!

 
- Natal é um tempo de ESPERANÇA...
- Natal é partilha solidária...
- Natal é olhar nos olhos e sorrir...
- Natal é renovação interior...
- Natal é tempo de união...
- Natal é ver em todos o irmão...
- Natal é saber-se perdoar...
- Natal é algo que está no coração...
- Natal é... aquilo que dele fizeres!

22/11/12

QUESTÕES DE FÉ... OU NÃO SERÁ?

O PRESÉPIO DA BASÍLICA DE SÃO PEDRO TEM VACA E BURRO!
A notícia cai como se fosse um míssil daqueles que têm sido lançados sobre Israel:
«O Papa reafirma a virgindade de Maria e diz que o burro e a vaca não estavam no presépio».
O Papa deve estar a gozar ocatólicos, parece!
Este Papa é um espanto que nos vai deixando de boca aberta, incrédulos por ele vir agora contar histórias sobre a virgindade de Maria,  pois estas não vão encontrar eco em  ninguém de bom senso! Ele, ou alguém por ele, deveria saber que é  trabalho inglório tentar explicar a um jovem normal que a mulher, depois que foi mãe... continua a ser virgem! A Deus nada é impossível, creio firmemente, mas o mundo tem outros problemas mais prementes que o trazem por demais angustiado... e a virgindade  faz parte dos mistérios da fé dos crentes... ou não faz, mas não é agora importante vir o Papa com afirmações destas... e de outras mais.
"O burro e a vaca não estavam no presépio" - diz alguém a quem se diz estar atribuído o dom da infalibilidade! Será que Bento XVI  é mesmo infalível? Terá ele  ordenado já que fossem retiradas dos Evangelhos todas as citações que falam dos animais do presépio? Saberá o Papa Bento o que quer dizer PRESÉPIO?.
Gostaria de perguntar ao Papa onde terão ido parar os animais!
Será que S. José vendeu o burrico que transportou Maria, prestes a ser Mãe e com o qual fugiram para o Egipto? Se o vendeu, é certo não estar no presépio de Belém, porque o dono o terá levado! Mas... e de onde veio o jumento que levou a Sagrada Família para o Egipto?
Para dizer a verdade, acho que o Papa deu um infeliz presente de Natal aos Católicos no mundo! Qual será o gozo dele vir dizer aquilo que disse? Será que os Evangelistas sagrados estavam enganados e nem sequer houveram pastores a visitar o Deus Menino, assim como nem sequer o burrinho utilizado para transportar Maria estaria por ali, dado ter ido dar uma volta, dirá Bento XVI como forma de diversão deste Natal. É triste que alguém tão importante da «nossa» Igreja Católica venha promover o seu livro atirando com as convicções dos crentes para as ruas da amargura... até por ser um Papa tão infalível!
 
Os tempos são de crise a todos os títulos, seja na austeridade que nos assola seja nos princípios que nos regem como cristãos. É preciso tirar?  Então, toca a tirar aquilo que ainda restava na liturgia cristã a convidar -nos a  ter algum respeito pelos animais. Pela lógica deste Papa, pode parecer que não, mas os animais no presépio pretendem recordar que eles, animais, também fazem parte da criação e como tal devem ser respeitados. 'A simbiose da criação faz-se com os animais e eles estão aí presentes no sinal da redenção da criação, o presépio, para que sejam um alerta contra todas as barbaridades que se cometem contra os animais'. Os massacres constantes contra os animais, que  vão acontecendo um pouco por toda a parte,  têm agora mais uma justificação por parte daqueles que perseguem e maltratam os mesmos.
Parece que São Francisco, a quem se atribui a fundação do presépio tal como o tínhamos até hoje, deve ter entrado numa impressionante depressão. Esta coisa de serem retirados os animais do presépio, choca de forma total com a sua visão espiritual da natureza, que chega  ao ponto de nos ensinar a usar usar fraternidade para com toda a natureza.
Aqui para nós, ao Poverello apenas lhe apetecerá dizer:  «ó irmão burro e irmã vaca, perdoem-lhes porque são delírios destes tempos da crise».
Nada admira que este Papa venha a decretar como dogma que "Jesus nasceu num palácio",  razão primeira para haver aquele que ele, Papa, tem  no do Vaticano, palácio onde o Papa, os Cardeais e alguns Bispos mais sortudos e bem assim outros senhores do tempo, ao abrigo do templo, vivem como grandes reis todo-poderosos uma vida luxuosa, cantando hossanas e laudes, vésperas e ladaínhas em acção de graças por tudo quanto lhes vem de Deus... e dos crentes! 
Talvez pudesse ajudar o nosso mundo a crescer na fé  se fossemos capazes de construír uma mansão onde possam ser colocados dentro todos os objectos de arte albergados nos museus de todo o mundo e resultaram do engenho humano de todos os tempos e bem assim numa poltrona revestida com o ouro de todas as igrejas do mundo se fizesse nascer Jesus de uma mulher virgem, que sempre foi virgem antes da concepção, durante a gravidez - que segundo a liturgia terá sido de nove meses, mas o Papa me leva a ficar agora com sérias dúvidas quanto a isso – e mais extraordinário continua virgem após o nascimento. Deste modo decretado pela vontade papal… teremos um Jesus Cristo mais de acordo com a sua altíssima dignidade divina, porque o facto de Ele ter assumido a condição de humano e tão pobre que nasceu  num estábulo entre animais torna-se uma ofensa que brada aos céus.
Os Cristãos não vão deixar de se perguntar se vão alterar todas as Bíblias e missais, o Novo Testamento e as obras de arte de tantos artistas ao longo dos séculos, apenas porque o Papa Bento diz infantilidades em nome da infabilidade papal.
O certo será continuarem a fazer o Presépio como sempre fizeram, com as figuras que seus pais lhe disseram serem dos protagonistas do Nascimento de Jesus Cristo, o Salvador.
E como castigo não vão convidar o Papa a celebrar o Natal com eles, pois o Papa não deve ter vontade de se juntar aos parvinhos que não sabem que em Belém de Judá, há mais de 2000 anos, não havia animais... nem o burrinho, que transportou Nossa Senhora até lá e depois para o exílio nas terras do Egipto, lá estava!
Os pastores a quem os anjos anunciam a boa nova, estavam a pastorear gafanhotos e melgas... segundo a visão infalível de Bento XVI. 

31/10/12

PELO MENOS... VAMOS SONHANDO!

 
Afinal... quando surgiu esta coisa do Halloween? Por muito estranho que isso pareça, já se pensava em Halloween entre os anos 600 a.c e 800 d.c, embora se notassem algumas diferenças em relação às actuais abóboras ou à famosa frase "Gostosuras ou travessuras", que foi exportada pelos Estados Unidos, país que popularizou esta comemoração.
 
Originalmente, o Halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de outubro e 2 de novembro e marcava o fim do verão ( samhain significa literalmente "fim do verão" na língua celta).
 
O halloween, derivado do inglês all hallows evening (noite de todas as almas) tem origem no festival celta do samhain, que era o festival que celebrava o fim do verão. Os festejos duravam 1 semana e davam inicio ao novo ano celta e ao também ao inverno (o calendário celta só tinha duas estações: verão e inverno. O inicio do verão festejava-se no beltane).

 
Entre as muitas coisas que se celebravam nessa altura estava também a "festa dos mortos" (o que corresponde talvez ao nosso "dia de todos os santos"), dizia-se que nessa data o véu entre este mundo e o outro estava mais ténue e que as almas dos que ja tinham partido retornavam a casa para visitar os seus familiares.
 Embora muitos não saibam isso,  o samhain também faz parte da tradição galego-portuguesa e é uma candidata a ser património imaterial.
Só por curiosidade: -  o mês de Novembro, na antiga língua irlandesa,  chamava-se "Mi na Samhain".
 
 
O Samhain era comemorado por volta do dia 1° de novembro, com alegria e homenagens aos que já partiram e aos deuses. Para os celtas, os deuses também eram seus ancestrais, os primeiros de toda árvore genealógica.
A relação da comemoração desta data com as bruxas propriamente ditas teria começado na Idade Média no seguimento das perseguições incitadas por líderes políticos e religiosos, sendo conduzidos julgamentos pela Inquisição, com o intuito de condenar os homens ou mulheres que fossem considerados curandeiros e/ou pagãos.
Essa designação perpetuou-se e a comemoração do Halloween, levada até aos Estados Unidos pelos emigrantes irlandeses (povo de etnia e cultura celta) no século XIX, ficou assim conhecida como "dia das bruxas", uma lenda histórica.
Com a conversão ao cristianismo dos povos europeus, foi-se estabelecendo o calendário litúrgico católico, surgindo as celebrações do Dia dos fiéis defuntos e do Dia de Todos-os- Santos, mitigando as referências às entidades pagãs e erodindo a popularidade da sua mitologia em favor da presença dos santos católicos.
 

 Actualmente, além das práticas de pedir doces - o 'Pão por Deus' ou 'Bolinho' - ou de vestir roupas de fantasias que se  popularizaram um pouco por toda a parte, podemos encontrar pessoas que celebram à moda celta, como os praticantes do druidismo (o druida era o sacerdote dos celtas) ou da wicca (considerada uma forma de bruxaria moderna).
Um ritual habitual na noite de 31 de outubro é o de acender uma vela numa das janelas de casa, em homenagem aos seus antepassados.

21/10/12

A LENDA DO GALO DE BARCELOS

Por vezes, dou comigo a pensar como seria bem melhor poder fazer uso de alguns artifícios narrados nas lendas de Portugal, especialmente no que respeita a coisas relacionadas com a justiça, a verdade, a felicidade das pessoas... e então dou comigo a recordar lendas do País, como é exemplo
A LENDA DO GALO DE BARCELOS.
Ora atentai:

Eram tempos de devoção aqueles, em que os cristãos firmavam e consolidavam a sua presença no Reino de Portugal que acabava de se tornar independente do Reino de Castela para, a partir de então, seguir o seu próprio destino.
Ora, isso aconteceu já lá vão quase novecentos anos. Nesses tempos remotos as pessoas não tinham uma idéia de fronteira, clara e nítida, como aquela que nós temos hoje. Esses portugueses, nossos antepassados, veneravam S. Tiago e invocavam a sua proteção, com a mesma fé com que nos nossos tempos veneram Santo António, como se o santo fosse uma espécie de avô simpático e bonachão de quem se lembravam nos momentos difíceis.
As pessoas deslocavam-se a Compostela para pedir uma graça ao Apóstolo, tal como hoje recorrem à ajuda de um amigo influente. Para lá chegarem caminhavam léguas e léguas, dormiam ao relento, comiam por caridade, numa choupana ofereciam-lhes uma tigela de sopa, mais adiante um camponês repartia com eles o seu pão escuro.
Humilde, vestido de estamenha (hábito de frade), um peregrino seguia o seu caminho, a estrada de Santiago, apoiado no seu grosso bordão. Talvez porque não fosse tão pobre como outros, pernoitava nas estalagens.
Na noite em que este homem encontrara abrigo na pequena hospedaria de Barcelos, uma aldeia nos confins de Portugal, já muito próxima da Galiza, nessa noite, dizia eu, quis a pouca sorte que o dono do estabelecimento tivesse dado pela falta de uma bolsa com moedas de ouro que era toda a sua fortuna.
Algumas pessoas tinham passado lá o serão, comendo, bebendo, contando histórias e conversando numa grande algazarra, sentadas diante de uma grande lareira onde ardia um enorme tronco, enquanto esbravejavam com a animação e agitavam canecas de vinho por cima das cabeças. Qualquer deles poderia ter sido o larápio, mas eram todos vizinhos, conhecidos e amigos de longa data, pelo que o estalajadeiro não desconfiou dos seus clientes habituais. Esta razão foi quanto bastou para que as suspeitas recaíssem sobre o nosso peregrino, suspeitas logo seguidas da acusação:
- Ladrão! Foste tu, só podes ter sido tu, que aqui toda a gente se conhece. Não escapas, vais ver! O juiz logo te dirá! Verás o que te espera!
E assim foi. O juiz sentenciou o homem como tendo sido ele o autor do roubo, apesar de as moedas não terem sido encontradas na sua posse, e logo ali o condenou a morrer na forca.
Quando o carrasco o conduzia para o meio da praça onde ia ser executada a pena, o peregrino lembrou-se de pedir:
- Esperem! Levem-me outra vez ao juiz, que eu ainda tenho uma coisa para lhe dizer.
Após alguma hesitação, o homem foi levado à presença do juiz que estava agora sentado à mesa e se preparava para se banquetear com um belo capão (galo) assado que estava na sua frente, temperado e tostado que fazia crescer água na boca.
- Meu senhor, ouvi mais uma vez que estou inocente do crime de que me acusam. Tomo Nossa Senhora por minha testemunha e aqui mesmo lhe peço que me faça um milagre. Se aquilo que eu digo for verdade, e eu estiver inocente, esse galo que tendes na vossa frente e vos preparais para comer, agora mesmo tornará à vida, se levantará e cantará!
Naquele preciso momento, o galo deu um pulo dentro da assadeira e começou a cantar.
Os presentes ficaram boquiabertos e de olhos esbugalhados. Nunca tal se vira.
O homem tinha conseguido provar a sua inocência e ao juiz apenas restou deixá-lo ir-se embora em paz.

06/10/12

TEMPOS DE crise...

Não gostaria de estar aqui e agora a escrever comentários sobre a situação caótica que grassa em Portugal, mas as constantes manifestações de 'solidariedade' que vão acontecendo um pouco por toda a parte, uns por manifesta carência de meios para manter a casa, outros porque o subsídio de desemprego acabou e o futebol ainda agora começou... com os bilhetes mais caros, ainda por cima, enquanto outros ainda não desistiram de ir de férias, talvez para as Canárias, porque aqui está tudo pela hora da morte! Na realidade, é incomportável aguentar esta situação por muito mais tempo, sendo que o Governo terá de fazer aquilo que lhe compete, que é fazer regressar aos cofres tudo aquilo que de lá foi sendo retirado subreptíciamente... com a conivência de alguns anjos de candura que agora se querem apresentar à populaça manipulada como os verdadeiros salvadores da Pátria.
 
 "Digo olhos nos olhos: O nosso país não é corrupto, os nossos políticos não são corruptos, os nossos dirigentes não são corruptos" disse  a Procuradora Geral Adjunta, na Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide.
Na fase de perguntas dos alunos, uma participante da Universidade de Verão questionou sobre a situação do antigo-primeiro-ministro, José Sócrates, que está a viver em Paris com gastos de “luxo” coinsiderados incompatíveis com os seus rendimentos. Na resposta, Cândida Almeida disse não ter meios para investigar. “É verdade que ele tem aquela vida, mas o que é que podemos fazer?”, questionou, acrescentando também não saber que ilícito poderia configurar. “Vamos instaurar um inquérito com suspeitas de quê”, questionou, rejeitando qualquer “caça às bruxas”.
É lamentável ouvir a Procuradora Geral Adjunta dizer que não tem meios para investigar a vida sumptuosa de José Sócrates em Paris... ao contrário daquilo que afirma a Ministra da Justiça. Não tem meios para investigar os dinheiros de Sócrates, mas não é vista a resolver os problemas daqueles desgraçados - e desgraçadas - que são levados à Justiça porque roubaram uma lata de conserva, atum ou sardinha, não importa agora, porque têm os filhos em casa cheios de fome. Não! É que o desgraçado não nomeia Procuradores nem é gente grada pertencente ao Governo! Se o 'ladrão' da lata de sardinhas fôr para a prisão... sempre tem alguma comida para ele, pois os filhos vão para uma qualquer instituição. Quantos 'participantes' nos espólios arrecadados pelo Fisco já foram presos? Do Freeport não é preciso falar, pois os ingleses e quejandos são uns malandros que quizeram passar a perna aos portugueses. Dos submarinos... talvez se volte a falar disso quando a prescrição acontecer... e não só... e não só... e não só!
Essas pessoas que agora respondem pelos Partidos deveriam levar as mãos à consciência, sejam eles de Esquerda, Direita ou Centro.
Da dívida que nos foi legada pelos Socialistas de ontem, de hoje e de sempre, todos querem fugir, menos o Povo que tem de cerrar os dentes e aguentar estóicamente aquilo que os próceres partidários vão atirando para a arena política... alguns lavando as mãos como Pilatos, como é Seguro ver-se.
Não gostaria de ter de escrever... mas está escrito!

22/09/12

PORTUGAL ESTÁ EM CRISE...

a fotografia que correu mundo


 Tal como há imagens que valem por mil palavras, há silêncios com a mesma força. Foi o caso da não resposta do agente do corpo de intervenção à pergunta que Adriana lhe fez antes de o abraçar, numa imagem-símbolo da manifestaçãoQue se lixe a troika! Queremos as nossas vidas do passado sábado, que juntou quase um milhão de pessoas em 40 cidades contra a situação desesperante do país. 
Ao contrário do que algumas pessoas têm dito em comentários à fotografia, Adriana não foi contratada por nenhuma agência de publicidade, nem tão pouco é familiar do agente que abraçou. É, sim, uma aluna de artes de 18 anos que vive em Lagos e que, por estar na capital naquele dia, decidiu participar na primeira manifestação da sua vida.
A razão para nos manifestarmos era boa, então decidi ir. A dada altura, quando vi polícias de intervenção, aproximei-me para ver o que se passava”, conta ao telefone.
Um grupo de manifestantes tinha acabado de atirar tomates à sede da troika, na Avenida da República, e havia alguma tensão no ar. Adriana, que já tinha visto fotografias simbólicas de outros protestos e manifestações, procurou um agente para abordar, até porqueos polícias têm família como nós”.
Foi muito simples: de todos os polícias ali, ele era o que tinha a máscara de plástico levantada. Então aproximei-me e perguntei-lhe: ‘Porque é que estão aqui?Porquê, perguntamos.Porque, se é uma manifestação pacífica, não vejo razão para o corpo de intervenção estar ali. Ele respondeu-me que estava a trabalhar e eu perguntei-lhe se ele não preferia estar connosco.” O silêncio caiu aí. O polícia olhou em frente, “com olhos tristes”, e Adriana afastou-se a pensar na cara infeliz e na reacção que poderia ter perante ela. Levou dez minutos a decidi-la.
O agente já tinha baixado a viseira por essa altura. Isso não a impediu de o abraçar.Sou contra gritos e contra mandar tomates, mesmo em protestos. Desejo um mundo sem ódio. Vi que ele queria estar connosco, então passei-lhe aquela mensagem de amor e de paz.” Ele ficousurpreendido e acabou por tentar afastar-me, mas não bruscamente. Por acaso, até gostava de saber se ele está bem. Depois de ver a imagem, fiquei preocupada que pudesse ter problemas no trabalho só porque eu o abracei”.
Sérgio não teve qualquer problema com as chefias. Através da direcção nacional da PSP, chegámos ao agente abraçado.Ali estávamos nós, em plena Avenida da República, com aquele oceano de gente pela frente. Já tinham sido arremessados tomates, garrafas de vidro, petardos que nos rebentavam aos pés e deixavam os ouvidos a zumbir...
Mas o sentimento permanecia. Apesar de haver arruaceiros, tínhamos que permanecer calmos e, apesar de estar ali como agente do Corpo de Intervenção, também sinto na pele as decisões e medidas do governo”, explicou ao jornal 'i.'
 
O momento em que isso se manifestou”, acrescenta,foi quando a Adriana se aproximou de mim e me perguntou porque estávamos ali. Respondi que era nossa função, que apesar de aceitar que as pessoas se manifestem, tinha que trabalhar.
Ela perguntou-me então se não tinha vontade de me juntar à multidão e manifestar-me, e a minha reacção foi olhar para ela com um ar de quem assume: ‘Sim, estou convosco no sentido da manifestação e sou parte do seu sentido’ e olhei em frente para a multidão. Momentos depois ela voltou e simplesmente abraçou-me. Fiquei estático e dois segundos depois disse-lhe ‘Já chega’ e recuei ligeiramente.”
Os dois segundos foram suficientes para nascer o símbolo de que, como alguns internautas têm comentado,o povo perdeu a paciência, mas não perdeu a calma”.

09/09/12

UM PAÍS AUSTERO...


AUSTERIDADE A QUALQUER PREÇO.
Não se calaram ainda as palavras 'amargas' do Primeiro Ministro deste País de brandos costumes e fé no bom desempenho dos governantes... que a maioria das vezes são uma dôr de cabeça permanente para quem tem de arcar com as consequências do desatino dos antecessores.
Que se pague o que se deve, ninguém de boa fé contestará, mas que sejam sempre os funcionários públicos e os pensionistas a pagar a factura da incompetência de uns quantos, que se refugiaram na cidade luz para fugir às consequências dos seus actos, mas também de 'companheiros de jornada' do actual Governo, que não souberam - ou não quizeram - acudir atempadamente aos demandos que iam notando na governação. Interessava era manter 'tachos' para o após passagem pelo Governo, e se possível também para os filhos, tios, sobrinhos, cão e gato.
O resultado é por demais evidente... não se podendo agora chorar sobre o leite derramado.
Os mapas que seguem são elucidativos sobre quem vai pagar a factura da incompetência governamental... que vem desde os tempos imemoriais dos governos Socialistas, mas também dos outros partidos, mesmo que aleguem oposição nos momentos em que não eram Governo... porque sabiam e calavam-se!


 
Para ampliar CLICK no mapa
DESCONTO BRUTAL ARRASA OS ORDENADOS!
O Governo faz aqui uma razia nos salários, roubando descaradamente o funcionalismo público, que tem sido o bombo da festa nesta legislatura, já que paga pelos ricos, pelos liberais, pelos deputados, pelos membros de um Governo que vendeu a alma ao Diabo, transformado em Tróika. Desrespeita-se o Tribunal Constitucional... mas no chamado 'Portugal de Abril' tudo é permitido, nada tem consequências.
No rescaldo desta porcaria feita pelo inefável Passos - que aproveita sempre uma ida a uma festa qualquer, para espetar a faca no peito do Zé Pagante -  está também nos cortes ao Salário Mínimo Nacional, que passa de 485 € brutos (431,65 € líquidos) para uns míseros 397,7 € após aplicação de TSU de 18% (antes era de 11%). Sempre são menos 34 € que se retiram ao bolso bem atulhado do Português.
Que lhes valha a Sopa dos Anjos, do Barroso, da Caritas, da Legião da Boa Vontade e de todas as Instituições e particulares que têm da caridade uma ideia diferente da que tem o Governo.

15/08/12

* POEMA DE UMA FUNCIONÁRIA PÚBLICA *




 Que dêem diplomas e haja cursos aldrabados

Que me considerem reformado ou um excedentário?

 Que se financie cada vez mais a fundação do Mário

 Que se ilibe o Sócrates do processo

 Que não haja na democracia um só sucesso

 Eu quero lá saber

 Que o sócrates já não finja que namora a Câncio

Que o BCE se livre do pavão armado do Constâncio

 Que roubem multibancos com retroescavadora

Que o Nascimento esburaque os processos à tesoura

Que deixe até de haver o feriado do 1º de Maio

Que a tuberculose seja mesmo um tacho pró Sampaio

Que em Bruxelas mamem muitos deputados

 Que o Guterres trate apenas dos refugiados

 Que a nós nos deixou bem entalados

Eu quero lá saber

Que ele vá a cento e sessenta e não preguem uma multa

Que amanhã ilibem os aldrabões da face oculta

Que o Godinho pese a sucata e abata a tara

Que pra compensar mande uns robalos ao Vara

 Que o buraco da Madeira sobre também para mim

Que a Merkl se esteja borrifando pró Jardim

 Eu quero lá saber

 Que a corja dos deputados só se levante ao meio-dia

Que a "justiça" indemenize os pedófilos da Casa Pia

 Que não haja aumentos de salários nem digna concertação social

Que os ministros e gestores ganhem muito e façam mal

Que Guimarães este ano se mantenha a capital

Que alguem compre gasolina na cidade de Elvas

Que só abasteça o condutor do Dr. Relvas

Que na Assembleia continuem 230 cretinos

Que nas autarquias haja muitos Isaltinos

Que o Álvaro por tu ai esse sim hei-de eu vir a tratar

Que se lixe o falar doce do grande actor Gaspar

Que morram os pobres e os velhos portugueses

Que eles querem é que fiquem só os alemães e os franceses

Eu quero lá saber

Que a justiça safe bem depressa o influente Duarte Lima

Que o bancário Costa não volte a dormir na prisão

Que o Cavaco chegue ao fim do mês sem um tostão

Que na Procuradoria continue o Pinto Monteiro

Que prós aldrabões tem sido um gajo porreiro

Que os offsores andem a lavar dinheiro

Que o BPN tenha sido gamado pelo Loureiro

Que no BPP prescrevam os processos do Rendeiro

Que à CEE presida um ex-maoista sacana e manhoso

Que agora é o snob democrata Zé Manel Barroso

Tudo isto já nada pra mim tem de anormal

Mas o que eu quero mesmo saber

é onde está o meu país chamado PORTUGAL

que isto aqui é vilanagem pura, roubalheira, corrupção

Meu Deus manda de novo o Marquês de Pombal

antes que este povo inerte permita a destruição !!!
*
 Maria (pseudonimo, claro!)
 Funcionária Pública

09/07/12

AO CORRER DA PENA...


Nestes tempos de austeridade desenfreada, apetece-me escrever... ainda que não diga nada, porque há muito para verter para o papel, mas estamos num estado tão calamitoso que nem se sabe por onde devemos começar, talvez pelo facto de não haver ponta por onde se consiga pegar um País devastado por tudo de mau que lhe vem acontecendo.
Diz-se que são imposições da 'tróika', debilidades herdadas do governo que nos desgovernou anteriormente... mas ninguém ainda conseguiu provar que é por obra e graça dos nossos governos que tudo vai mal no reino de Portugal. E teimamos em encontrar o bode expiatório em todo o lado da Comunidade Europeia... menos em Lisboa, porque somos pessoas sérias - especialmente porque não temos razões para rir - e sabemos que os Governos (?) têm tido a preocupação em arranjar 'paraísos fiscais' capazes de 'tomar conta' dos nossos dinheiros, porque os bancos existentes em Portugal 'teimam' em fazer o enriquecimento dos seus titulares à pala daquilo que nos vão conseguindo 'apanhar' nos negócios chorudos que fazem com as promessas de ganhos fabulosos, mais valias de fazer perder o fôlego, juros só possíveis de encontrar no Banco 'X' ou 'Y' durante uma vida... desde que esta seja curta, calcula-se.

O Povo, em nome de quem os Governos deveriam governar, está horrorizado com a falta de perspectivas que lhes possam permitir acreditar num porvir mais ridente. A Igreja pede o fim das medidas anticrise impostas pela governação... nas ninguém acreditará que alguém na esfera governamental lhes venha a dar ouvidos.
No tempo do Estado Novo, era dita esta quadra:
'TOURADAS E PROCISSÕES...
FÁTIMA...FADOS... BOLA...
SÃO ESTAS AS DIVERSÕES
DE UM POVO A PEDIR ESMOLA'
Sei que no Estado Novo a Igreja não pediria nada ao Governo, porque havia uma Concordata que inibia o sacerdote de se meter em questões consideradas políticas. Quem o fazia sofria na carne a temeridade tida... mas alguns 'deram a cara, o corpo às balas', como é do conhecimento geral.
Hoje há muitas vozes da Igreja que levantam a voz contra o aumento dos sacrifícios impostos ao Povo. Aconteceu em Coimbra, por exemplo, no sermão das festas da Rainha Santa, como também com o Arcebispo de Braga, que afirma reconhecer que os portugueses terão de criar estilos de maior sobriedade na vida, mas a austeridade demais pode ser um sacrifício que os portugueses já não aguentam!
Os Bispos entendem que o Governo terá de encontrar uma saída que não passe pelo agravamento dos sacrifícios impostos ao Povo.
O Tribunal Constitucional veio tentar dar uma esperança ao Povo, mas o Governo entende que a crise justifica continuar a atacar os rendimentos do trabalho... dos funcionários públicos, dos pensionistas e reformados. Até quando vão ser os funcionários a pagar os empréstimos da tróika e os vencimentos chorudos de que se dão aos membros do Governo e assessores?
É melhor não dizer mais, senão ainda terei convulsões pelo cheiro nauseabundo que vem de São Bento, especialmente nos dias de debate parlamentar. 

07/06/12

TEMPOS MODERNOS...


Neste mundo em que estamos inseridos, muitas vezes nos perguntamos qual o papel que nos está reservado, o que podemos fazer em prol do 'outro', interrogamos a nossa consciência sobre o que é que consideramos ser pertinente fazer pelo nosso próximo... mas perguntamos comulativamente quem é mesmo o nosso próximo.
Manda a verdade que se diga que será uma pergunta bem difícil de ter aquela resposta capaz de nos dar um certo conforto de alma, pois o nosso próximo sempre esteve perto, sempre partilhou as suas alegrias e tristezas connosco, sempre riu quando nos viu rir, chorou porque nos viu chorar, pois ele, o próximo, é aquele que vive o teu quotidiano como se dele se tratasse!
Muitas vezes dá vontade de baixar os braços e desistir de tudo aquilo que é negativo neste mundo cheio de contradições, de meias verdades, de desamor, de egoísmos e falta de memórias para as coisas boas que ao longo dos séculos fomos capazes de fazer! Nem tudo o que foi a nossa passagem por este mundo poderá ser considerado mau... mesmo que passemos o tempo a lamentar a falta de sorte, a pouca solidariedade que vemos naqueles que nos dão a mão agora mas nos empurram depois. Será que estou certo daquilo que digo? A sorte conquista-se e merece-se pelo nosso esforço em prol da mudança! Quanto à solidariedade... porque nos lamentamos quando somos nós que não temos a coragem de aceitar aquilo que a generosidade dos outros nos pode propiciar? Por orgulho ou por inveja? Dizemos então que não andamos sujeitos às ajudas que nos queiram dar... mas  quando não nos dão aquilo que necessitamos, toca a apelidar de sovina quem deu tudo o que tinha, que partilhou connosco até ao último cêntimo!
Portugal está naquele caminho que leva à insolvência, pois falta tudo... e não vemos maneira de saír da cepa torta, porque os meios são cada vez mais escassos, mas é de pensar um pouco na solidariedade que o Povo mostrou ainda na última campanha do Banco Alimentar Contra a Fome! O Povo português está sempre pronto a dar um pouco do que tem... mesmo que tenha pouco, porque é generoso!
Os tempos que vivemos são de reflexão, porque já não há tempo para mudar os hábitos de muitos de nós, que vivemos à beira do precipício para onde outros nos arrastaram e não podemos dar passos em falso, pois o risco de queda é enorme.
Até quando? Não se sabe, porque estamos nas mãos de Deus, já que as dos homens estão por demais sujas de iniquidade, de devassidão, de uma corrupção aviltante que domina todo um aparelho político-administrativo onde impera o descrédito total, porque  Homens escreve-se agora com 'h' pequeno, uma vez que estes têm perdido a dignidade de antigamente!

06/05/12

DIA DA MÃE...

*
Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?

Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

19/03/12

DIA DO PAI

Hoje é 'DIA DO PAI'!
Não que fique muito confortável aceitar esta data como um dia especial, dedicado ao Pai, como se verifica, sabendo que todos os dias deveriam ser do Pai, da Mãe, dos Avós, dos Tios, dos Irmãos e todos aqueles que fazem parte do agregado familiar, porque o que deveria ser motivo de um dia será a Família! Acredite-se ou não, Portugal sempre foi muito avesso a comemorar condignamente a Família, bastando estar atentos a quanto nos diz a História Pátria sobre o início do Condado Portucalense: Adultério, guerras entre mãe e filho, descrédito feito a D. Sancho, D. Afonso III a roubar o trono do 'irmão'... desentendimentos familiares numa altura em que Portugal está a afirmar-se  no contexto das Nações do mundo...
Perguntará o leitor mais atento: Mas que tem este 'arengado'  a vêr com o Dia do Pai?
Talvez não tenha mesmo nada a vêr, mas há sempre uma razão subjacente para tudo e este dia comemorativo não foge à regra. Quantas pessoas estão cientes do valor do 'Pai de família' nos tempos que passam? E a Família terá ainda hoje aquela carga que antes se reputava como simbólica da força da Sociedade? Não é crível que tal aconteça, considerando tudo quanto os governos das Nações, as novas idiossincrasias religiosas, as alienações permanentes dos jovens, que são levados pela mão para um mundo onde não há valores mas apenas perversões!
O Pai deveria ser uma figura nuclear na célula familiar, mas será que os governos das Nações estão em sintonia com tal pressuposto? Quando se retiram aos Pais - Pai e Mãe, entenda-se - os mais elementares direitos sobre os filhos, pois qualquer pessoa que lê os jornais ou está atento às notícias que o quotidiano televisivo nos vai contemplando, verifica que os filhos não podem ter a atenção devida por parte dos progenitores porque o trabalho não permite que tal aconteça. Pai e Mãe saiem pela manhã de casa, deixando os filhos no infantário... e são as educadoras, as amas, as funcionárias das creches a 'educar' os 'filhos dos outros', que não lhes dizem mesmo nada em termos familiares.
Agora que se iniciou o ciclo do ' fim dos feriados religiosos', depois que houve o 'ataque' aos crucifixos e outros símbolos de cariz religioso, espera-se que o Dia do Pai seja mesmo um dia em que a figura paterna seja comemorada por bons motivos, que se pretendem ligados à sustentação da Família como base da sociedade em que pretendemos viver.
Que São José, modelo de todos os Pais, nos dê a conhecer o caminho que nos leve à Sagrada Família de Nazaré.
Feliz Dia do Pai.     

15/02/12

PORQUE ONTEM FOI DIA DOS NAMORADOS...


...que tal um dia dos namorados diferente?

Se apenas no dia de São Valentim há lugar a 'comemorações', que são mais um meio de aumentar o comércio que outra coisa - mesmo que esse comércio seja no mercado do sexo, porque não? - pois há que fazer promoção nem que seja de máquinas de ginásio, para que os Futres deste País à beira-mar plantado tenham 'tacho'.
Já agora... não seria possível manter as 'dicas' abaixo transcritas durante todo o ano? Os namorados agradecem e ajudam a relembrar o tal dia diferente para os namorados:
.    Prepare um jantar temático em casa, podem ser as mil e uma noites, com velas, almofadas e um jantar no chão, faça uma surpresa.  
.    Agarrem num cobertor, num termo com chocolate quentinho e vão até um local onde a vista seja soberba, e simplesmente encantem-se. 
.   Voltem ao local onde deram o primeiro beijo... e envolvam-se nas recordações.
.   Vão às compras, comprem um conjunto de lençóis bem sexy, e, claro, não passem o dia sem o experimentar.   
.   Preparem uma refeição romântica e partilhem-na num só prato.   
.   Passem o dia num jardim, a passear de mãos dadas.  
.   Preparem uma noite simples, aluguem dois filmes que sejam do gosto dos dois e encomendem pizza, mas terminem com uma sobremesa sofisticada, partilhada do mesmo prato.
·   Comecem o dia com um pequeno-almoço na cama, e não se preocupem com mais nada.
.   Vão a um bar de karaoke e cantem uma música romântica ao vosso par.   
.  Cozinhem um prato novo, experimentem e divirtam-se.   
.   Leiam algumas passagens de um livro de poesia, um ao outro.    
.  Façam um piquenique; está a chover? Façam-no em casa!    
.  As saudades avivam uma relação, passem uma semana separados, e encontrem-se só neste dia.   
.  Dêem um passeio na praia, vejam o pôr-do-sol.  
.  Peguem no vosso carro e vão sem destino até chegarem a um local inesperado, e passem aí a noite.  
.  Se ambos adoram cozinhar, preparem uma refeição juntos. Definam antes de mais qual é o chef de serviço nesse dia, para evitar discussões sobre técnicas, ou gostos. Se gostam os dois de ser chefs, alternem todos os anos.   
.   Coloque uma nota romântica no sapato, bolso, ou carteira de quem ama.   
.   Coloque secretamente um paspartou com a vossa fotografia na secretária do seu namorado ou namorada. 
.   Secretamente vão ao local onde sabem que o vosso namorado ou namorada estaciona o carro, e coloquem-lhe uma nota de amor no pára-brisas.  
.  Experimentem uma actividade radical, o palpitar do coração aproxima qualquer um.  
.  E a minha favorita! Pare de ler este artigo, e telefone, ou vá ter com quem ama e diga-lhe isso mesmo, que é o amor da sua vida!

Percebeu bem aquilo que acima é descrito? Acha que não vem a propósito, porque o Dia dos Namorados foi ontem? Então... diga ao meu ouvido: SÓ AMA UM DIA POR ANO? PENSA QUE CHEGA UM SÃO VALENTIM ANUAL? DEPOIS ADMIRE-SE SE ALGO DE MAU LHE ACONTECER, PORQUE QUEM NÃO APARECE ESQUECE!
Vá por mim... tal como o Natal, o Dia dos Namorados é quando um homem ou uma mulher o desejarem! Aceitem a dica.