22/11/12

QUESTÕES DE FÉ... OU NÃO SERÁ?

O PRESÉPIO DA BASÍLICA DE SÃO PEDRO TEM VACA E BURRO!
A notícia cai como se fosse um míssil daqueles que têm sido lançados sobre Israel:
«O Papa reafirma a virgindade de Maria e diz que o burro e a vaca não estavam no presépio».
O Papa deve estar a gozar ocatólicos, parece!
Este Papa é um espanto que nos vai deixando de boca aberta, incrédulos por ele vir agora contar histórias sobre a virgindade de Maria,  pois estas não vão encontrar eco em  ninguém de bom senso! Ele, ou alguém por ele, deveria saber que é  trabalho inglório tentar explicar a um jovem normal que a mulher, depois que foi mãe... continua a ser virgem! A Deus nada é impossível, creio firmemente, mas o mundo tem outros problemas mais prementes que o trazem por demais angustiado... e a virgindade  faz parte dos mistérios da fé dos crentes... ou não faz, mas não é agora importante vir o Papa com afirmações destas... e de outras mais.
"O burro e a vaca não estavam no presépio" - diz alguém a quem se diz estar atribuído o dom da infalibilidade! Será que Bento XVI  é mesmo infalível? Terá ele  ordenado já que fossem retiradas dos Evangelhos todas as citações que falam dos animais do presépio? Saberá o Papa Bento o que quer dizer PRESÉPIO?.
Gostaria de perguntar ao Papa onde terão ido parar os animais!
Será que S. José vendeu o burrico que transportou Maria, prestes a ser Mãe e com o qual fugiram para o Egipto? Se o vendeu, é certo não estar no presépio de Belém, porque o dono o terá levado! Mas... e de onde veio o jumento que levou a Sagrada Família para o Egipto?
Para dizer a verdade, acho que o Papa deu um infeliz presente de Natal aos Católicos no mundo! Qual será o gozo dele vir dizer aquilo que disse? Será que os Evangelistas sagrados estavam enganados e nem sequer houveram pastores a visitar o Deus Menino, assim como nem sequer o burrinho utilizado para transportar Maria estaria por ali, dado ter ido dar uma volta, dirá Bento XVI como forma de diversão deste Natal. É triste que alguém tão importante da «nossa» Igreja Católica venha promover o seu livro atirando com as convicções dos crentes para as ruas da amargura... até por ser um Papa tão infalível!
 
Os tempos são de crise a todos os títulos, seja na austeridade que nos assola seja nos princípios que nos regem como cristãos. É preciso tirar?  Então, toca a tirar aquilo que ainda restava na liturgia cristã a convidar -nos a  ter algum respeito pelos animais. Pela lógica deste Papa, pode parecer que não, mas os animais no presépio pretendem recordar que eles, animais, também fazem parte da criação e como tal devem ser respeitados. 'A simbiose da criação faz-se com os animais e eles estão aí presentes no sinal da redenção da criação, o presépio, para que sejam um alerta contra todas as barbaridades que se cometem contra os animais'. Os massacres constantes contra os animais, que  vão acontecendo um pouco por toda a parte,  têm agora mais uma justificação por parte daqueles que perseguem e maltratam os mesmos.
Parece que São Francisco, a quem se atribui a fundação do presépio tal como o tínhamos até hoje, deve ter entrado numa impressionante depressão. Esta coisa de serem retirados os animais do presépio, choca de forma total com a sua visão espiritual da natureza, que chega  ao ponto de nos ensinar a usar usar fraternidade para com toda a natureza.
Aqui para nós, ao Poverello apenas lhe apetecerá dizer:  «ó irmão burro e irmã vaca, perdoem-lhes porque são delírios destes tempos da crise».
Nada admira que este Papa venha a decretar como dogma que "Jesus nasceu num palácio",  razão primeira para haver aquele que ele, Papa, tem  no do Vaticano, palácio onde o Papa, os Cardeais e alguns Bispos mais sortudos e bem assim outros senhores do tempo, ao abrigo do templo, vivem como grandes reis todo-poderosos uma vida luxuosa, cantando hossanas e laudes, vésperas e ladaínhas em acção de graças por tudo quanto lhes vem de Deus... e dos crentes! 
Talvez pudesse ajudar o nosso mundo a crescer na fé  se fossemos capazes de construír uma mansão onde possam ser colocados dentro todos os objectos de arte albergados nos museus de todo o mundo e resultaram do engenho humano de todos os tempos e bem assim numa poltrona revestida com o ouro de todas as igrejas do mundo se fizesse nascer Jesus de uma mulher virgem, que sempre foi virgem antes da concepção, durante a gravidez - que segundo a liturgia terá sido de nove meses, mas o Papa me leva a ficar agora com sérias dúvidas quanto a isso – e mais extraordinário continua virgem após o nascimento. Deste modo decretado pela vontade papal… teremos um Jesus Cristo mais de acordo com a sua altíssima dignidade divina, porque o facto de Ele ter assumido a condição de humano e tão pobre que nasceu  num estábulo entre animais torna-se uma ofensa que brada aos céus.
Os Cristãos não vão deixar de se perguntar se vão alterar todas as Bíblias e missais, o Novo Testamento e as obras de arte de tantos artistas ao longo dos séculos, apenas porque o Papa Bento diz infantilidades em nome da infabilidade papal.
O certo será continuarem a fazer o Presépio como sempre fizeram, com as figuras que seus pais lhe disseram serem dos protagonistas do Nascimento de Jesus Cristo, o Salvador.
E como castigo não vão convidar o Papa a celebrar o Natal com eles, pois o Papa não deve ter vontade de se juntar aos parvinhos que não sabem que em Belém de Judá, há mais de 2000 anos, não havia animais... nem o burrinho, que transportou Nossa Senhora até lá e depois para o exílio nas terras do Egipto, lá estava!
Os pastores a quem os anjos anunciam a boa nova, estavam a pastorear gafanhotos e melgas... segundo a visão infalível de Bento XVI.