13/06/14

ONDE ESTÁ MADDIE? VERDADE OU MITO?

Já são passados 7 anos sobre os acontecimentos, havendo uma família portuguesa que se desfez, um inspector da Polícia que se viu enxovalhado graças aos interesses das políticas inglesa e portuguesa, num sinal subserviente que aflige, porque da Inglaterra se poderá dizer o que ontem se dizia de Espanha: "DO REINO UNIDO, NEM BOM VENTO NEM BOM CASAMENTO!", mesmo que seja a Inglaterra e recordar a mais velha aliança do mundo... quando tal os beneficia.
Recordando os acontecimentos:
Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

A Polícia Judiciaria portuguesa entregou-se de alma e coração à investigação que permitisse encontrar a criança... mas sem resultados concludentes. A hipótese de homicídio e corpo desaparecido foi quase opinião unânime, até pela utilização de cães pisteiros ingleses, que encontraram vestígios e cheiros a cadáver numa viatura utilizada pelo casal Kate e Gerry McCann.


 
Em entrevista ao Daily Mail, um detetive que esteve envolvido na investigação encomendada por Kate e Gerry McCann, em 2008, revelou-se agora “perplexo” com o que viu no programa da BBC, Crimewatch, onde é feita uma reconstituição do alegado rapto de Maddie.
Segundo revela numa entrevista ao Daily Mail, citada pelo i, o detetive não queria acreditar que os grandes desenvolvimentos que a polícia inglesa dizia ter eram, afinal, retratos-robô feitos em 2008.
Fiquei absolutamente chocado quando assisti ao programa. Aquilo não é um novo cronograma, nem uma nova revelação. É um perfeito disparate sugerir aquela teoria, além de que os retratos foram feitos por nós”, revelou o detetive da Oackley, aos quais o casal McCann recorreu naquele ano.
Kate e Gerry, em 2008, contrataram uma equipa privada de investigadores, mas terão feito ameaças para que os investigadores se calassem, sob pena de interporem uma ação em tribunal.
Os retratos-robô do alegado raptor de Madeleine McCann foram feitos a partir de um depoimento de um turista, que estava no Algarve. Esse turista, Martin Smith, terá dito que viu um homem, às 22h00, com uma criança ao colo. Agora, no programa da BBC, surge a teoria da Scotland Yard, segundo a qual o avistamento ocorreu às 21h15.

A criança da foto acima é a tristemente célebre Joana, que também desapareceu no Algarve e cuja mãe foi condenada com a acusação de ter morto a filha e feito desaparecer o corpo. Não era filha de um amigo do Primeiro Ministro inglês, logo... meta-se a mãe na cadeia e caso encerrado!
A lei portuguesa manda que sejam responsabilizados os pais ou encarregados da guarda das crianças quando estas os deixam abandonados. Os pais de Maddie estavam no Ocean Club a beber copos... e as crianças ficaram sozinhas... dizem.
Quando se pretendeu fazer a reconstituição... furtaram-se à mesma e fugiram para Londres! Porquê?

Num relatório recente, elaborado por uma equipa de Investigadores Privados Europeus, concluiu-se não haver fundamento para o prosseguimento das buscas tendentes à localização de Madeleine McCann.
Tal relatório assenta em diversos depoimentos de clientes do Ocean Club, em Lagos (Portugal), no momento do alegado desaparecimento de Maddie e de muitos habitantes da Aldeia da Luz, os quais referem unanimemente nunca ter visto a família com três crianças, mas apenas com duas.
Tal facto tem sido escondido da opinião pública, sendo apenas conhecido das empresas de Comunicação que asseguram a boa imagem pública da família McCann.
O estudo, que sairá a público nos próximos dias, antecipava até a dúvida sobre a própria existencia da pequena Maddie.
Com efeito, tendo ficado demonstrado nos processo de investigação que Gerry não é o seu pai biológico, existem fortes indícios de que as amostras de ADN não sejam de qualquer criança, mas apenas de sua mãe.
Tal situação explica, segundo os investigadores, a correspondencia do sangue encontrado no veículo automóvel alugado 21 dias depois do forjado “desaparecimento”, com o da pretensa “mãe” de Maddie.
Por outro lado, e segundo revela o relatório, não há qualquer indício de que o casal tenha entrado em Portugal com três crianças, nem foi até agora descoberto qualquer registo de nascimento de alguma criança com o nome de Madeleine McCann, filha do casal.
Esta convicção dos investigadores assenta ainda em informações prestadas por amigos pessoais de Clarence Mitchel, porta-voz do casal McCann, e de alguns dos seus colaboradores directos.

Sem comentários:

Enviar um comentário